sustentação oral

Melhores dicas para se preparar para uma excelente sustentação oral

Comentar
Recomendar

A sustentação oral é o momento do processo em que os advogados possuem o direito de apresentar suas alegações orais no julgamento de seus recursos. É a última etapa antes de os julgadores decidirem sobre a matéria nos Tribunais ou nas Turmas Recursais.  

A sustentação oral tem como função justamente expor as razões pelas quais as teses apresentadas em sede de recurso devem ser acolhidas. Ou ainda os motivos pelos quais o recurso da parte ex adversa, contrária, não deve ser acolhido. 

Serve justamente como um último movimento do jogo processual. É onde muitos julgadores mudam de opinião ao ouvir as razões dos procuradores. Não se pode ignorar o efeito concreto e didático que uma boa sustentação oral traz ao julgamento.

Quando a sustentação oral pode ser utilizada?

O novo Código de Processo Civil elenca em seu artigo 937 quais são as hipóteses de cabimento da sustentação oral. Além disso, também determina como se dará o procedimento. 

A sustentação oral acontece depois da exposição da causa pelo relator, quando o presidente dá a palavra, sucessivamente, ao recorrente, ao recorrido e, nos casos de sua intervenção, ao membro do Ministério Público. O prazo improrrogável é de 15 (quinze) minutos para cada um, a fim de sustentarem suas razões.

Cabe sustentação oral nos seguintes casos:

  • No recurso de apelação
  • No recurso ordinário
  • No recurso especial
  • No recurso extraordinário
  • Nos embargos de divergência
  • Na ação rescisória
  • No mandado de segurança
  • Na reclamação
  • No agravo de instrumento interposto contra decisões interlocutórias que versem sobre tutelas provisórias de urgência ou da evidência.
Planilha de controle de processos e atividades judiciais
Mantenha o controle dos seus processos e prazos. Baixe grátis a nossa planilha exclusiva de controle de atividades e processos judiciais. Quero baixar a planilha grátis

Além disso, o inciso IX do mesmo artigo (937, novo CPC) chama atenção a um ponto muito importante, que deve ser observado antes da realização de qualquer sustentação oral: a análise das outras hipóteses previstas em lei ou no regimento interno do tribunal.

Por exemplo, o Regimento Interno do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, no artigo 175 e seguintes esclarece as hipóteses de cabimento, o procedimento e a forma de realização da sustentação oral.

Então a dica que fica é: antes da realização da sustentação oral, principalmente em Tribunais em que o advogado não está habituado, é fundamental analisar o regimento interno para conferir as particularidades. 

Saiba mais sobre a sustentação oral de estagiário aqui no blog da Aurum.

Fique ligado!

Outro ponto relevante acerca do cabimento da sustentação oral, são as novidades trazidas pela tecnologia na advocacia. Como, por exemplo, a possibilidade de o advogado realizar sustentação oral por meio de videoconferência ou outro recurso tecnológico de transmissão de sons e imagens em tempo real. 

Esses casos ocorrem quando o profissional tem domicílio profissional em cidade diversa daquela onde está sediado o tribunal. É necessário fazer o requerimento até o dia anterior ao da sessão, conforme determina o §4º do artigo 937 do CPC e os Regimentos Internos dos Tribunais e das Turmas de Recursos.

Sustentação oral em agravo de instrumento

Inovando em relação ao revogado Código de Processo Civil, atualmente, com amparo no artigo 937, inciso VIII, existe a possibilidade de realização da sustentação oral nos recursos de agravo de instrumento. A condição é sejam interpostos contra decisões interlocutórias que versem sobre tutelas provisórias de urgência ou da evidência.

Para regulamentar a situação acima, que gera muitas dúvidas, alguns Tribunais discriminam em seus regimentos internos as hipóteses de cabimento. Por exemplo, o TJSC entende o cabimento da sustentação oral, desde que o agravo de instrumento seja interposto: 

  • Contra decisão interlocutória que verse sobre tutela provisória de urgência ou tutela da evidência;
  • Contra decisão parcial de mérito; e
  • Contra decisão que decretar a falência.

De acordo com Marinoni, Arenhart e Mitidiero: 

O denominador comum entre as hipóteses arroladas pelo legislador é a pressuposição de que nesses recursos haverá oportunidade para se tratar do mérito da causa”. 

Justamente por esta razão que no agravo de instrumento que trata do mérito da causa há direito à sustentação oral.

Portanto, novamente a dica citada acima deve ser levada em conta. Isso porque não podemos esquecer que cada Tribunal, cada Turma Recursal e cada rincão deste país possui uma particularidade. E o advogado deve estar preparado para fazer a sustentação oral em qualquer destes locais!

Entenda como funciona a Lei de Falência e Recuperação Judicial.

Sustentação oral no TRT

Vou repetir mais uma vez, mas é quase um mantra quando se fala nesse assunto: não deixe de conferir o regimento interno do Tribunal em que será feita a sustentação oral!

Isso porque, no caso da Justiça do Trabalho o cabimento da sustentação oral ocorre nos casos de julgamento do Recurso Ordinário ou do Agravo de Petição. Contudo, cada TRT tem um procedimento próprio, inclusive especificando as hipóteses e o tempo que cada advogado poderá dispor para realizar a defesa de suas razões orais.

Saiba mais sobre direito do trabalho aqui no blog da Aurum.

Sustentação oral em Habeas Corpus

Algumas considerações são necessárias, isso porque é evidente o cabimento da sustentação oral em sede de Habeas Corpus. Inclusive há expressa autorização no Regimento Interno do TJSC. 

O problema que ocorre em alguns casos é o fato de o Habeas Corpus ser julgado, “em mesa”, conforme inciso I do artigo 161 do RITJSC. Isso dispensa a publicação e intimação das partes e de seus advogados.

Portanto, pelo fato de não existir a inclusão em pauta, por ter prioridade de julgamento e urgência na tramitação, é fundamental que os advogados interessados em realizar sustentação oral apresentem pedido expresso de intimação de defesa. Para realização de sustentação oral, o impetrante será cientificado, por qualquer via, da data do julgamento.

Dicas para um bom roteiro de sustentação oral

Cada advogado possui técnicas e estratégias para suas sustentações orais. Não há uma regra, ou uma receita de bolo pronta de como realizar a melhor sustentação oral. Há advogados que preferem uma sustentação oral mais técnica. Outros preferem trazer o caso à tribuna com maior apego aos fatos do cotidiano e sua relação com a situação em discussão.

Entretanto, algumas dicas, são sempre válidas! Por isso, vou compartilhar aquelas que busco utilizar para a preparação da sustentação oral.

1. Seja pontual

Normalmente a ordem das solicitações dos pedidos de preferência, ou sustentação oral é seguida pelo Presidente. Contudo, alguns advogados podem retirar seu pedido de preferência, podem não comparecer, ou até o próprio relator retirar o processo de pauta. Por conta disso, não se atrase! 

Busque sempre chegar no horário marcado para o início da sessão, ainda que a sustentação não seja a primeira. Assim é possível ouvir as discussões e entender como está se encaminhando a sessão.

Não estranhe o fato de ao início da sustentação os advogados devam colocar becas/togas, pois normalmente os tribunais exigem e disponibilizam esta vestimenta para os advogados que irão sustentar. 

2. Cuidado com o tempo

Todo o tempo disponível para sustentar deverá ser utilizado para todas as considerações, desde cumprimentos, até observações e a própria sustentação.

Alguns advogados preferem, ao realizar o cumprimento, mencionar nominalmente todos os Desembargadores, inclusive o representante do Ministério Público. Eu, particularmente, prefiro evitar mencionar o nome de todos os julgadores, e os cumprimento na pessoa do presidente e do relator.

Seja objetivo, não cite jurisprudência, artigos de lei, não faça extensas leituras, busque abordar de forma clara e sucinta a sustentação. Otimize seu tempo e o tempo dos julgadores, eles possuem inúmeros processos para continuar julgando, não apenas o seu.

3. Estude o caso

Mostre conhecimento do caso, mencionando as folhas do processo quando fizer alguma menção aos autos. 

Procure saber o posicionamento dos julgadores em casos anteriores que se assemelham ao seu. Além disso, conheça os principais argumentos da parte contrária. 

Você pode ainda ter um roteiro sobre os pontos que vai abordar. O ideal é elencar alguns tópicos, mas sem frases prontas. Assim, vai lembrar facilmente seus argumentos.

4. Não deixe de ensaiar

E, por fim, treine e treine. Antes da sustentação prepare o que irá falar e, se possível, grave o tempo. Assim não vai correr o risco de terminar o tempo e não terminar a sustentação.

Você pode, ainda, ensaiar com alguém assistindo ou filmar sua atuação, para se observar falando. E não deixe de expor suas ideias em voz alta. 😉

Modelo de pedido de sustentação oral

Aqui é necessário considerar que cada Tribunal possui um procedimento para o pedido de realização de sustentação oral. Em muitos deles nem sequer é necessário realizar o protocolo físico de um pedido, basta chegar com antecedência e solicitar ao secretário da câmara.

No TJSC e no TRF4, por exemplo, os pedidos são realizados online, mediante o acesso ao sistema do próprio Tribunal.

A dica neste caso é alguns dias antes do julgamento, assim que o processo estiver pautado, entrar em contato com a secretaria da câmara/turma e questionar o procedimento.

De qualquer forma, caso necessário o protocolo de uma petição solicitando o pedido de sustentação oral, ela deverá ser simples. Você deve indicar: a) número do processo; b) dia de julgamento; c) nome da parte representada; d) ordem de pauta; e) relator; f) câmara/turma que irá julgar.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR RELATOR XXXXXXXXXXXX DA Xª CÂMARA DE DIREITO XXXXX DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE XXXXX

Autos nº. xxxxxxxxxxxx
Recorrente: xxxxxxx
Recorrido: xxxxxxxxxx
Relator: xxxxxx

XXXXXXXXXXXXXXXX, já devidamente qualificado nos autos do processo em epígrafe, vem, à presença de Vossa Excelência, requerer preferência/sustentação oral para o julgamento do referido processo, pautado para a sessão do dia xx.xx.xxxx às xxh, com número de ordem xx.

Conclusão

Como dito no início, a sustentação oral é a última chance de mudar o entendimento dos julgadores com a apresentação oral das razões recursais. É justamente por isso que deve ser realizada com calma, objetividade e com muito treino

Como última dica, busque na internet vídeos de sustentações orais de outros advogados. Assim, você vai entender melhor como é o ambiente em que ocorre o julgamento. 

Mais conhecimento para você

Nesse artigo, compartilhei as melhores dicas para uma sustentação oral. Quer mais dicas para advogados? Aqui no blog da Aurum você confere:

Inscreva-se na newsletter da Aurum e acompanhe conteúdos exclusivos do blog!

assine a aurum news e receba os melhores conteúdos para advogados

E aí, gostou das dicas? Tem alguma outra que você utiliza em sua advocacia? Compartilhe com a gente nos comentários abaixo! 😉

22.000 Advogados

Já controlam seus processos e prazos com o software jurídico Astrea

Experimente grátis
Comentar
Recomendar
Vamos continuar a conversa?

 

2 Comentários
Você está aqui