Empreendedorismo na advocacia

Empreendedorismo na Advocacia

Para embasar o que falaremos mais a seguir, vamos apresentar algumas estatísticas que mostram a expressão da advocacia brasileira no mundo:

  • Possui os quatro maiores escritórios de advocacia da América Latina
  • É o segundo país com maior número de advogados por habitante
  • Possui oito dos dez maiores escritórios da América Latina
  • É o terceiro colocado entre os países com maior número de advogados

O Brasil é o país com maior número de faculdades de direito e forma milhares de novos advogados todos os anos. Desse volume de profissionais, muitos já iniciam suas carreiras com o sonho de um dia chefiar o próprio escritório de advocacia.

Olhando um pouco para fora do mundo jurídico, o momento está muito propício para novos empreendimentos. As novas gerações tem menos medo de arriscar e toda a informação e tecnologia disponível no mercado contribui para amadurecer os empreendedores e minimizar suas chances de erros e fracassos.

Na advocacia, é um pouco improvável que um profissional empreenda logo aos vinte e poucos anos, ao sair da faculdade, pois a conquista de clientes depende da reputação dos advogados que compõem a banca, e essa reputação só é conquistada ao longo de muitos anos de trabalho, muitos processo trabalhados e clientes atendidos.

Já para advogados mais experientes, a abertura de um escritório próprio é algo que está ao alcance, uma vez que o capital inicial para abertura do negócio é relativamente baixo e o advogado aproveita, principalmente, o seu capital intelectual e relacionamento conquistados ao longo de sua carreira.

O processo mais comum é: o jovem advogado batalha para entrar em um conceituado escritório para fazer carreira. Inicia como estagiário, passa pelas etapas necessárias para, quem sabe, tornar-se um associado. Contudo, o desejo de ter o negócio próprio fazer com que o advogado empreenda por conta antes de “subir todos os degraus” necessários e para entrar na sociedade em um escritório maior.

É muito comum ver novas sociedades que nascem a partir de advogados que trabalhavam juntos em um escritório mais antigo. Em alguns casos, grandes escritórios dividem-se em duas ou até três partes menores, com diferentes sociedades. E, esses fatores contribuem para um aumento orgânico no número de escritórios de advocacia no país, de forma que novas oportunidades são geradas para os jovens que estão se formando.

Uma visão importante que o advogado, ou sociedade de advogados, deve ter na hora de empreender é encarar o empreendimento como um negócio desde o seu início. Isso significa ter planejamento, saber onde quer chegar e o que precisa ser feito para atingir. Invariavelmente, para atingir os objetivos, a estratégia passa por administração, vendas, tecnologia, gestão, entre outras áreas que não são muito exploradas no curso de direito. Neste caso, o advogado deve busca fontes de conhecimento externas, como cursos, livros, blog etc.

Ser empresário, além de um bom advogado, é uma grande responsabilidade e não é nem um pouco fácil. O ideal, no início do negócio, é que a novo escritório escolha algumas áreas do direito para se especializar, ou até mesmo alguns segmentos de mercado para atender, para dessa forma tornar-se referência e impulsionar o crescimento.

A Aurum é uma empresa nascida de uma empreitada de seus fundadores há 20 anos atrás e é uma empresa focada em atender os escritórios de advocacia em todos os seus momentos. Temos clientes com décadas de existência e centenas de advogados atendidos pelo Themis, nosso ERP jurídico, e também advogados autônomos e micro escritórios recém fundados que utilizam nosso novo produto, o Astrea, para gerenciar suas rotinas. Independentemente do tamanho, idade ou momento do seu negócio, conte com a gente para ajudá-lo a crescer.