Entenda o que é interdito proibitório

Entenda o que é interdito proibitório e acesse um modelo gratuito

Comentar
Recomendar

O interdito proibitório é um procedimento judicial utilizado para fazer cessar a ameaça ao exercício da posse de alguém. É um mecanismo com um trâmite especial que lhe confere mais agilidade, a fim de que o processo tenha um resultado útil.

O que você vai encontrar neste artigo

Nesse artigo buscaremos tratar do interdito proibitório, seu conceito e requisitos de aplicação, bem como qual sua diferença quando comparado às demais ações possessórias. Confira mais detalhes no menu abaixo:

  1. O que é interdito proibitório?
  2. Interdito possessório x interdito proibitório
  3. Critérios de aplicação do interdito proibitório
  4. Ação de interdito proibitório de competência da Justiça do Trabalho
  5. Manutenção da posse pela força
  6. Ações possessórias no Novo CPC
  7. Modelo de inicial de interdito proibitório
  8. Principais dúvidas sobre interdito proibitório
  9. Conclusão
  10. Continue sua jornada do conhecimento

O que é interdito proibitório?

O interdito proibitório é um procedimento judicial utilizado para fazer cessar a ameaça ao exercício da posse de alguém. É um mecanismo com um trâmite especial que lhe confere mais agilidade, a fim de que o processo tenha um resultado útil. 

Além disso, é muito comum sua utilização contra ocupações de imóveis ou propriedades rurais em que o dono de propriedade toma conhecimento de um movimento aproximando-se de suas terras, com o objetivo de invadi-las.

O que é interdito proibitório?
O que é interdito proibitório?

Interdito possessório x interdito proibitório

A posse gera alguns efeitos, sendo considerado o principal deles a sua defesa por meio de interditos. As ações possessórias podem ser de três tipos e estão previstas dos artigos 554 a 568 do CPC, são elas ações de:

As ações devem ser manejadas de acordo com a lesão da posse sofrida: esbulho, turbação ou ameaça. O legitimado é aquele que sofreu a lesão possessória ou seus sucessores, a título singular ou universal, ao passo que o réu é aquele que provocou a lesão possessória ou seus sucessores.

No interdito possessório a posse já foi esbulhada, ou seja, tomada de forma injusta e o possuidor quer retomá-la.

A ação de manutenção na posse tem como objetivo proteger o possuidor que por atos materiais do ofensor (turbação) tem o seu exercício da posse dificultado. Aqui o possuidor ainda não perdeu a disposição física do bem. Trata-se, portanto, de uma ofensa de menor intensidade em relação ao esbulho.

Por fim, no interdito proibitório o possuidor quer defender sua posse de uma agressão ou turbação iminente, que está prestes a ocorrer.

Critérios de aplicação do interdito proibitório

O interdito proibitório se aplica a partir da turbação ou da possibilidade de esbulho iminente, momento em que o possuidor tem direito de ver expedido um mandado proibitório em que se aplique ao réu determinada multa se a turbação continuar ou caso o esbulho se caracterize.

Nesse caso, diferente da manutenção da posse que visa a retomada do imóvel que teve a posse esbulhada, o que se quer é justamente evitar que isso aconteça, repelindo a ameaça.

Ação de interdito proibitório de competência da Justiça do Trabalho

Essa ação é muito manejada no âmbito rural quando se tem notícias sobre a aproximação de movimentos sociais com o objetivo de invadir fazendas.

Também, não é raro que essas ações sejam intentadas por empresas como bancos, por exemplo, que ingressam com essas ações para que os usuários do serviço, bem como aqueles que não aderiram à greve possam circular pelas agências.

Dessa forma, é importante salientar que a competência para julgar o tipo de ação mencionada acima é da justiça do trabalho, nos termos da súmula vinculante 23 do Supremo Tribunal Federal que estipula:

A Justiça do Trabalho é competente para processar e julgar ação possessória ajuizada em decorrência do exercício do direito de greve pelos trabalhadores da iniciativa privada. 

Manutenção da posse pela força

O possuidor que esteja sendo perturbado ou tenha sido retirado da posse injustamente, poderá manter-se ou restituir-se por sua própria força, contanto que o faça logo e que seus atos não sejam além do indispensável à manutenção, ou restituição da posse.

Ações possessórias no Novo CPC

A Lei 13. 105/2015 que instituiu o Novo Código de Processo Civil trouxe poucas alterações no procedimento das ações possessórias, trazendo apenas algumas questões quanto à legitimidade coletiva e a possibilidade mediação nos conflitos envolvendo a posse.

Dentre as poucas inovações trazidas, está o artigo 554 que prevê em seus parágrafos que no caso de ação possessória em que figure no polo passivo grande número de pessoas (o que é muito comum), serão feitas:

  • A citação pessoal dos ocupantes que forem encontrados no local e a citação por edital dos demais;
  • Determinação da intimação do Ministério Público;
  • E, se envolver pessoas em situação de hipossuficiência econômica, também será feita a determinação da Defensoria Pública.

Neste último caso, o oficial de justiça procurará os ocupantes no local por uma vez, citando-se por edital os que não forem encontrados.

Essa alteração foi de grande valia uma vez que a pesquisa para citação de réus não encontrados pode fazer com que ações judiciais se arrastem por longos anos.

Modelo de inicial de interdito proibitório

Para facilitar sua rotina, é essencial ter e desenvolver modelos de documentos jurídicos. Por isso, preparei um modelo de inicial de interdito proibitório gratuito. 😍

Para acessar e usar, é só clicar no botão abaixo!

Quero acessar o modelo de Interdito Proibitório

Principais dúvidas sobre interdito proibitório

Após a leitura do conteúdo, você ainda ficou com alguma dúvida? Então confira abaixo quais são as principais dúvidas sobre o tema. 

O que é interdito proibitório?

O interdito proibitório é um procedimento judicial utilizado para fazer cessar a ameaça ao exercício da posse de alguém. Consiste em um mecanismo com um trâmite especial que lhe confere mais agilidade, a fim de que o processo tenha um resultado útil. 

Qual é a diferença entre interdito possessório é interdito proibitório?

A diferença entre interdito possessório e proibitório é que no interdito possessório a posse já foi esbulhada, ou seja, tomada de forma injusta e o possuidor quer retomá-la.

Enquanto, no interdito proibitório, o possuidor quer defender sua posse de uma agressão ou turbação iminente, que está prestes a ocorrer.

O que é turbação da posse?

Turbação de posse consiste em violar direitos de outra pessoa, por meio da prática de atos abusivos. Nesse cenário, a turbação de posse  gera o  impedimento do livre exercício da posse, porém não causa a perda. 

Conclusão

O artigo buscou dar um breve panorama do interdito proibitório, sua diferenciação quanto às demais ações possessórias, bem como as alterações trazidas pelo Novo CPC.

Espero que tenham gostado, até a próxima. 😊

Continue sua jornada do conhecimento

Para você continuar se atualizando sobre temas relacionados ao direito processual, separei também esses conteúdos:

Além disso, sabia que você pode receber artigos como esse direto na sua caixa de e-mail? Para isso, é só assinar a newsletter da Aurum e receber em primeira mão conteúdos e novidades do universo da advocacia e tecnologia!

assine a aurum news e receba os melhores conteúdos para advogados

E aí, gostou do artigo? E o modelo, está sendo útil? Me conte pelos comentários! Também fico aberta a dúvidas e sugestões. 

Finalmente
chegou a hora de crescer sua advocacia!

Com o Astrea você automatiza sua rotina jurídica e ganha tempo para colocar planos em prática

Comece grátis
Comentar
Recomendar
Vamos continuar a conversa?

    Nenhum comentário
    Você está aqui