Mais de 60.000 advogados confiam seus prazos, clientes e escritórios no Astrea +60.000 advogados confiam seus escritórios no Astrea Começar grátis no Astrea Começar grátis

Confira o que é o Estatuto do Torcedor >

O que é o estatuto do torcedor e sua importância para o Direito Desportivo

O que é o estatuto do torcedor e sua importância para o Direito Desportivo

Confira o que é o Estatuto do Torcedor >
18 ago 2020
Artigo atualizado 25 ago 2021
18 ago 2020
ìcone Relógio Artigo atualizado 25 ago 2021
Em 2003 foi sancionada a Lei Federal n. 10.671/2003 que dispõe sobre o Estatuto de Defesa do Torcedor, mais conhecido como Estatuto do Torcedor. A lei trouxe relevantes implicações nos eventos esportivos no Brasil na tentativa de trazer mais segurança ao torcedor e mais credibilidade às competições esportivas.

Nos próximos parágrafos, vamos abordar os principais aspectos do Estatuto do Torcedor, passando pelo contexto em que ocorreu a sua criação, o que é e para que serve referido Estatuto e as controvérsias em seu entorno.

O que é o estatuto do torcedor? 

O estatuto do torcedor é uma Lei Federal que declara os direitos do torcedor.

Logo, dispõe sobre a segurança, a transparência e regras gerais na organização das competições esportivas.

Além disso, também dispõe sobre as penalidades em caso de descumprimento dos dispositivos da lei e, até mesmo, sobre crimes decorrentes de fatos envolvendo torcedores ou concernentes à adulteração ou influência externa nos resultados de competições esportivas.

Embora a Lei Pelé compare o torcedor ao consumidor (art. 42, § 3º, da Lei Pelé), com o Estatuto do Torcedor que essa condição foi mais fortalecida.

Isso porque completou a “cadeia de consumo” ao equiparar a fornecedor, para todos os efeitos legais, nos termos do Código de Defesa do Consumidor, a entidade responsável pela organização da competição, assim como a entidade de prática desportiva detentora do mando de jogo (art. 3º do Estatuto do Torcedor).

Como resultado, a partir de 2003, o torcedor passou a gozar de proteção especial, culminando em uma série de mudanças nos espetáculos esportivos com o objetivo de cumprir os dispositivos do Estatuto do Torcedor.

Outro ponto importante trazido pelo Estatuto do Torcedor visou acabar com as “viradas de mesa” ao instituir que a participação das equipes em competições esportivas se dê “exclusivamente em virtude de critério técnico previamente definido” (art. 10). 

Além disso, as fórmulas de disputa das competições deverão perdurar por, ao menos, dois anos consecutivos (art. 9, § 5º, II), justamente para evitar a alteração inoportuna visando beneficiar um ou outro clube.

Como surgiu o estatuto do torcedor

A Lei 10.671/2003, denominada de Estatuto do Torcedor, foi sancionada em um contexto onde o esporte brasileiro, em especial o futebol, demandava medidas bruscas visando proteger o torcedor nos espetáculos esportivos, bem como dar maior credibilidade às competições.

Quem acompanhou o futebol no século XX deve lembrar de partidas com estádios mais do que lotados, invasões do gramado e episódios lamentáveis de conflitos e tragédias.

Como exemplo, temos os ocorridos na final do Campeonato Brasileiro de 1992, entre Flamengo e Botafogo no Maracanã; na final da Copa João Havelange, em 2000, entre Vasco e São Caetano, em São Januário; e até em uma partida de futebol júnior realizada em 1995, no Pacaembu, entre Palmeiras e São Paulo.

Ademais, o futebol também se via ameaçado pelas chamadas “viradas de mesa”, que, em suma, se davam quando o regulamento da competição era descumprido, gerando reflexos no rebaixamento e ascensão de clubes, redundando em discussões na Justiça Desportiva e até na Justiça Comum, ameaçando a continuidade e a credibilidade dos campeonatos.

A criação do Estatuto do Torcedor

Um exemplo de virada de mesa se deu em 1992. Até então, o regulamento do Campeonato Brasileiro previa que apenas os dois melhores clubes da segunda divisão ganhariam acesso à primeira divisão. 

Porém, visando beneficiar clubes tradicionais que disputariam a segunda divisão em 1992, a CBF alterou o regulamento da competição para garantir que os 12 “melhores” colocados da segunda divisão seriam alçados à primeira divisão.

Outros exemplos de virada de mesa ocorreram em 1996, em situação que teve como protagonista o Fluminense, e em 2000, com a realização da Copa João Havelange, totalmente envolta em polêmicas a ponto de ter sido abolida já no ano seguinte à sua primeira edição.

Foi nesse cenário que, tomando também por inspiração a Lei 9.615/98 (Lei Geral do Esporte, chamada de Lei Pelé), que equiparou o torcedor ao consumidor, foi editado e aprovado o Estatuto do Torcedor, passando a vigorar em maio de 2003.

https://www.aurum.com.br/blog/wp-content/uploads/2021/12/mobile-anuncio.svg
+60.000 advogados aprovam
Deseja encerrar o dia com a garantia de que seu escritório está seguro? Automatize suas atividades e viva uma rotina tranquila em 2022
Começar grátis no Astrea

Controvérsias envolvendo o estatuto do torcedor

Não obstante os inegáveis avanços trazidos pelo Estatuto do Torcedor, o diploma legal também tem sido fonte de algumas polêmicas.

De início, é curioso apontar que o próprio Estatuto já foi objeto de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 2937), proposta pelo Partido Progressista sob o argumento de que:

o Estatuto de Defesa do Torcedor significava uma afronta aos postulados constitucionais da liberdade de associação, da vedação de interferência estatal no funcionamento das associações e, sobretudo, da autonomia desportiva.”

Porém, em 2012 o Supremo Tribunal Federal julgou improcedente a ação.

Artigo 2° do estatuto do torcedor

Outro ponto polêmico gira em torno justamente da equiparação do torcedor a consumidor e a sua conceituação trazida pelo artigo 2º do Estatuto, in verbis:

Torcedor é toda pessoa que aprecie, apoie ou se associe a qualquer entidade de prática desportiva no País e acompanhe a prática de determinada modalidade esportiva.
Parágrafo único. Salvo prova em contrário, presumem-se a apreciação, o apoio ou o acompanhamento de que trata o caput deste artigo.” 

Veja que o Estatuto do Torcedor traz um conceito bastante amplo de torcedor.

Ou seja, considera-se torcedor não apenas aquele sujeito que comparece às arenas esportivas, mas “toda pessoa que aprecie, apoie ou se associe” e que “acompanhe a prática de determinada modalidade esportiva”, conferindo uma presunção relativa, em seu parágrafo único, quanto à apreciação, ao apoio ou ao acompanhamento.

O problema com esse conceito aberto é que uma das finalidades do Estatuto do Torcedor, qual seja a estabilidade e credibilidade das competições, acaba ficando em xeque.

Isso porque, na medida em que torcedores de todo o país, ao considerarem ter algum de seus direitos violado nos termos da lei, poderão propor ações judiciais em seu domicílio, por força da prerrogativa disposta no artigo 101, I, do Código de Defesa do Consumidor. 

Logo, abre a possibilidade de serem proferidas decisões judiciais conflitantes em diferentes juízos, abalando a estabilidade e a segurança das competições.

Exemplos de conflitos

Temos como exemplo o que ocorreu no ano de 2013, em decorrência de uma partida de futebol do Campeonato Brasileiro entre Athletico Paranaense e Vasco da Gama. Essa partida foi disputada na cidade de Joinville, em Santa Catarina, e televisionada para diversas cidades brasileiras.

Entretanto, por uma grave falta no tocante à segurança no interior do estádio, em determinado momento as torcidas de ambas as equipes iniciaram um violento confronto, com cenas um tanto chocantes que foram televisionadas para todo o Brasil.

Como agravante, o Vasco da Gama, ao ser derrotado naquela partida, foi rebaixado para a Série B do Campeonato Brasileiro.

Caso Héverton

Não suficiente, neste mesmo ano ocorreu o chamado “caso Héverton”, que culminou no rebaixamento da Portuguesa pela perda de pontos resultantes da escalação irregular do atleta. Esses episódios, em especial este caso, desencadearam uma enxurrada de ações judiciais em todo o Brasil por parte de torcedores

O conflito de competência só foi dirimido no âmbito do Superior Tribunal de Justiça, que definiu nos autos de Conflito de Competência n. 133.244-RJ ser o foro regional da Barra da Tijuca, domicílio da CBF, o competente para julgar causas relacionadas aos fatos em discussão, inobstante a prerrogativa do artigo 101, I, do Código de Defesa do Consumidor.

Lei do PROFUT

Outra polêmica surgiu com a edição da Lei 13.155/2015, a chamada Lei do PROFUT, que instituiu um programa de responsabilidade fiscal do futebol brasileiro.

Entre outras medidas visando à implementação do programa, a Lei do PROFUT alterou o artigo 10 do Estatuto Torcedor a fim de incluir como “critérios técnicos” para possibilitar a disputa nos torneios esportivos a:

  • regularidade fiscal, atestada por meio de apresentação de Certidão Negativa de Débitos relativos a Créditos Tributários Federais e à Dívida Ativa da União – CND; 
  • apresentação de certificado de regularidade do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS; 
  • comprovação de pagamento dos vencimentos acertados em contratos de trabalho e dos contratos de imagem dos atletas” (alíneas do inciso II, do artigo 10).

Além disso, incluiu o parágrafo 3º ao referido artigo para determinar que os clubes que não cumprirem com os supracitados critérios técnicos sejam rebaixados para a divisão imediatamente inferior.

Tais alterações foram objeto da Ação Direto de Inconstitucionalidade n. 5450/DF que, no final de 2019, declarou a inconstitucionalidade dos referidos dispositivos sob o fundamento de que a ampliação dos critérios técnicos trazidos pela lei:

Constituem, indireta e inconstitucionalmente, formas de cobrança de tributos, por intermédio de limitações arbitrárias com a utilização de meios gravosos e indiretos de coerção estatal destinados a compelir o contribuinte inadimplente a pagar o tributo, que apresentam claramente falta de proporcionalidade e razoabilidade de medidas gravosas que se predispõem a substituir os mecanismos de cobrança de créditos tributários inadmissíveis”.

A importância do Estatuto do Torcedor para o Direito Desportivo

O Direito Desportivo é um ramo do Direito que transita por várias outras disciplinas. Quem milita na área se defronta rotineiramente com questões envolvendo as seguintes áreas do direito: trabalhista, civil, internacional, constitucional, tributário, consumidor, penal, entre outros.

O Estatuto do Torcedor é um diploma legal que espelha essa amplitude. Entre seus artigos, é possível vislumbrar dispositivos que tratam de várias outras áreas.

Podemos dar como exemplo aqueles que foram inseridos ou alterados pela Lei do PROFUT, que tratam de matérias relacionadas ao Direito Tributário e ao Direito do Trabalho; assim como os artigos que fazem referência direta ao Código de Defesa do Consumidor e, também, artigos que tocam o Direito Penal.

Neste particular, note que o Capítulo XI-A do Estatuto do Torcedor enumera em seus artigos 41-B a 41-G condutas que caracterizam crimes.

Assim, o Estatuto do Torcedor deve ser cuidadosamente estudado por quem anseia militar na área do desporto.

É correto afirmar que se trata de um dos principais diplomas normativos dessa área. 🙂

Conclusão

Conforme mencionado, o Estatuto do Torcedor trouxe avanços no tocante à segurança dos torcedores e à credibilidade das competições. Porém, infelizmente, não foi capaz de extinguir por completo todos aqueles problemas que motivaram a sua criação.

Conflitos entre torcedores, dentro e fora dos estádios, continuam ocorrendo e os resultados das competições continuam a ser questionados na Justiça Desportiva e na Justiça Comum, ainda que em menor proporção.

Todavia, conquanto o caminho do aperfeiçoamento ainda seja longo, é certo que a direção está se revelando correta.

Cabe a todos os agentes que trabalham no âmbito esportivo continuarem vigilantes, atuando de forma a melhorar cada vez mais a cultura esportiva no país.

Mais conhecimento para você

Se você quiser ler mais sobre Direito e advocacia, continue navegando pelo Potal da Aurum! Indico os seguintes artigos para leitura: 

E aí, ficou com alguma dúvida? Tem alguma sugestão para deixar o conteúdo ainda mais rico? Compartilhe com a gente nos comentários abaixo!

Gostou do artigo e quer evoluir a sua advocacia?

Assine grátis a Aurum News e receba uma dose semanal de conteúdo no seu e-mail! ✌️

Ao se cadastrar você declara que leu e aceitou a política de privacidade e cookies do site.

Social Social Social

Advogado (OAB 52439/PR). Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Curitiba. Especialista em Direito Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Sou sócio fundador da Tisi Advocacia, em Curitiba-PR, com atuação em Direito Empresarial, Direito Civil, Propriedade Intelectual e...

Ler mais
Tem algo a dizer?

Deixe seu comentário e vamos conversar!

5

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


  • HORACIO NELSON WENDEL 06/05/2022 às 06:43

    Foi criada a LIBRA, a liga brasileira de clubes. Em seu estatuto, não consta licitaçao de direitos de transmissao para escolher a emissora ganhadora. Mas impõe que a distribuiçao do dinheiro da TV seja no esquema 40x30x30, que a Globo usa hoje. Isto ja diz tudo. A FIFA licita, a Conmebol licita, as liga europeias licitam, a CBF nao licita pela relação promiscua com a Globo. O torcedor, no ambito de seu estatuto, pode exigir na Justiça cumprimento de licitação ? Terá exito ?

    • André Tisi 01/06/2022 às 15:18

      Olá, Horacio. Obrigado pelo comentário.
      Não existe obrigatoriedade em licitar. Por isso, não vejo como provável o êxito em eventual ação movida por torcedor.
      Abraço!

  • Thállytha Monnyck Pereira Rodrigues 26/03/2021 às 23:38

    Como assim??

  • Thállytha Monnyck Pereira Rodrigues 26/03/2021 às 23:37

    Não entendi

  • Igor Raphael Marques de Carvalho 09/03/2021 às 17:22

    Tô entendendo nada

Bullets
aurum recomenda

Conteúdos para elevar sua atuação na advocacia

Separamos os principais artigos sobre advocacia e tecnologia para você!

Ícone E-mail

Assine grátis a Aurum News e receba uma dose semanal de conteúdo gratuito no seu e-mail!

Ao se cadastrar você declara que leu e aceitou a política de privacidade e cookies do site.

+60.000 advogados já desfrutam de uma rotina mais tranquila e segura

Automatize seu escritório com o software jurídico mais bem avaliado pelos clientes

Começar grátis no Astrea Começar grátis