Descubra a história por trás dos principais símbolos da advocacia

Os 10 principais símbolos da advocacia, seus significados e origem

Comentar
Recomendar

Os símbolos da advocacia contribuem para a preservação da história e da nobreza da profissão. Começando com o título de “conselheiro” nos regimes tribais mais simples, a figura do advogado existe há milhares de anos. Mas foi quando sua presença chegou aos grandes impérios, como os gregos e nos romanos, que os símbolos ganharam significados fundamentais para a definição e o exercício da profissão de maneira mais próxima a que conhecemos hoje.

A evolução da advocacia, impulsionada pela tecnologia e pela soma de outros saberes, trouxe mudanças importantes para a prática da profissão. No entanto, a balança, a deusa Themis (ou Têmis) e outros símbolos históricos ainda estão presentes em objetos decorativos e na identidade visual para advogados e devários escritórios de advocacia, lembrando sempre a honra da profissão e a busca pela justiça.

Mas você se lembra o significado de todos esses signos? Se alguém perguntasse agora, você saberia dizer quais são os principais símbolos da advocacia e do direito e o que eles representam? Para refrescar sua memória e retomar um pouco da história da profissão, preparamos um conteúdo especial para você!

Os 10 principais símbolos da da advocacia e seus significados

1. Balança

Representada em objetos, fotografias, pinturas e até em logomarcas, a balança é atribuída ao significado de justiça, do comportamento correto segundo as leis e do equilíbrio. Ela representa a nivelação das partes envolvidas em um processo e expressa a equivalência e equação entre o castigo e a culpa.

A história conta que, no antigo Egito, o deus Osíris, na presença de Maat, a deusa da justiça para aquela cultura, pesava o coração dos mortos em balança para decidir sobre o seu destino além da Terra. A prática de medir as ações terrenas também esteve presente nos julgamentos dos antigos persas e tibetanos. Na Grécia, Zeus usava a balança para definir o destino da humanidade.

2. Martelo

O martelo todo em madeira, utilizado pelo juiz, é um dos mais significativos e conhecidos símbolos da advocacia, do direito e da justiça. Ele representa o sinal de alerta, respeito e ordem para o silêncio. Apesar de sua fundamental importância, seu significado não é único.

Alguns autores referenciam o símbolo à mitologia grega, relacionando o objeto ao deus Hefesto, também conhecido como ferreiro divino. Há também quem faça referência a uma espécie de cajado utilizado pelos sacerdotes judeus e cristãos, que utilizavam o martelo para chamar a atenção da assembleia.

3. Venda ou cegueira

Para a justiça, a venda é sinal de imparcialidade. De forma mais abrangente, o símbolo representa abandono ao destino e desprezo pelo mundo exterior. Na antiga Grécia, adivinhos e poetas eram representados como cegos pois acreditava-se que a ausência de visão permitia a essas pessoas ver os segredos reservados aos deuses. Fortuna, a deusa da sorte, era representada com os olhos vendados, assim como a deusa da justiça, que toma as decisões sem julgamentos particularmente pessoais.

Software Juridico Astrea
Otimize as atividades do seu escritório de advocacia sem comprometer o orçamento conhecer o plano light

4. Espada

Dentro da configuração dos símbolos da advocacia ou para além deles, a espada simboliza poder. Nesse aspecto, a arma expressa tanto o poder de destruição – no caso do direito e da advocacia, se posicionando contra a injustiça e a ignorância – quanto o de construção, por ser uma ferramenta para estabelecer e manter a paz e a justiça.

Quando associada à Themis, deusa grega da justiça, o objeto simboliza a decisão e a separação entre o bem e o mal, protegendo o primeiro e punindo o segundo.

5. Themis ou Têmis

Se você não tem, certamente já viu a estatueta de Têmis decorar mesas de trabalho e estantes de escritórios de advocacia, não é mesmo? Na mitologia grega, Themis é representada por uma figura de mulher e traz em seu significado a personificação da justiça. Têmis é filha de Urano (o Céu) e de Gaia (a Terra).

A deusa da justiça exibe uma espada e uma balança. Enquanto a balança expressa o bom senso e o equilíbrio no julgamento das causas, a espada reflete a força e a potência de suas decisões.

Geralmente, Têmis é retratada com venda nos olhos, símbolo da advocacia que traduz a objetividade nas decisões e o tratamento igualitário às partes envolvidas em um processo. Quando a deusa da Justiça é retratada sem a venda, recebe outra carga de significados. A Themis de olhos abertos representa a necessidade de não perder nenhum detalhe para que seu julgamento ocorra de forma justa e ponderada.

Não é por acaso que o nosso software jurídico com mais tempo de mercado leva o nome da deusa grega da Justiça. Afinal, o sistema foi criado para que departamentos jurídicos e grandes escritórios garantam o direito de seus clientes de maneira mais assertiva. 😉

6. Beca

A beca é uma veste talar, que vai do pescoço aos pés, com origem nos trajes sacerdotais da antiga Roma. Geralmente preta, se assemelha a uma capa. É um símbolo da advocacia carregado de simbologia forense e representa o sacerdócio dos defensores do direito e da justiça.

Assim como a toga, a beca representa a tradição e o prestígio da profissão. É um símbolo que alerta ao advogado que a utiliza a lembrança de seu juramento e do compromisso que assumiu com a justiça. É também um símbolo que carrega a tradição da profissão e desperta o respeito solene pelo povo.

7. Crucifixo

Frequentemente presente nos plenários do júri e em alguns escritórios de advocacia, o crucifixo carrega uma simbologia que ultrapassa seu significado religioso. Enquanto parte dos símbolos da advocacia, o crucifixo representa um erro judiciário, cometido há milênios, e serve de alerta ao corpo de jurados. O objeto está ali para lembrá-los de guiar suas decisões e ponderações pela lei, fortalecendo o compromisso com um julgamento genuinamente justo.

A memória que essa cruz carrega é a do julgador político Pôncio Pilatos, que, sem provas ou vislumbres de qualquer culpa do acusado, entregou o réu, perante o povo de Israel, para ser crucificado. Isso porque não interessava à Roma se envolver com questões que não eram de sua conveniência.

8. Pena e livros

Apesar de frequentemente serem vistos entre os símbolos da advocacia, a pena e os livros não têm uma relação direta com a profissão. No entanto, o conjunto de objetos remete ao exercício de escrever defesas e petições para garantir o direito de uma pessoa ou entidade. E faz alusão ao tempo histórico, em que papel e a pena molhada na tinta eram os principais objetos de trabalho do advogado.

Além disso, a combinação dos símbolos representa a consolidação das leis em código e a validade dos vereditos, que eram escritos e registrados com a ajuda da pena e “eternizados” no papel.

9. Astreia ou Astrea

Filha de Zeus e Themis, Astrea foi identificada em vários momentos como a Justiça. Alguns autores contam que ela espalhava os sentimentos de justiça e de virtude entre a humanidade. No entanto, falam também que, depois que os mortais se corromperam, a inclinação para o mal se espalhou pelo mundo e Astrea subiu novamente ao céu.

Por entender a importância de Astreia e de sua mãe como símbolos importantíssimos da justiça e da advocacia é que batizamos o nosso software para advogados e escritórios de Astrea. 😉

10. Coruja

A ave símbolo da sabedoria e da inteligência era a preferida de Minerva, figura mitológica ligada à justiça. Conhecida pelo nome de Palas Atena, na Roma antiga, Minerva é deusa da sabedoria e da guerra. Agora, toda vez que você ouvir ou usar a expressão “voto de Minerva”, vai saber que ela se refere ao julgamento de Orestes, filho do rei Agaménon e da rainha Clitemnestra.

Ao haver empate na deliberação pela culpa ou absolvição, a deusa decidiu a favor do réu. Por isso, até hoje falamos “voto de Minerva” quando nos referimos ao voto de desempate. Na mitologia romana, a coruja sempre esteve associada à figura de Palas Atena (Minerva) como imagem de sua sagacidade, e acabou se transformando num verdadeiro símbolo da advocacia a partir dessa relação.

Conclusão

Da próxima vez que perguntarem para você por que a justiça é cega, você vai poder dizer que a venda, na verdade, é um símbolo de imparcialidade e que a justiça não faz distinção entre aqueles que são julgados.

Outra coisa interessante sobre os símbolos da advocacia é que muitos deles não podem estar presentes em ações de marketing jurídico ou em publicidade na advocacia. É por isso que a representação de Themis e da balança são as mais presentes em logomarcas e outras peças gráficas. Afinal, fazem parte de um seleto grupo de símbolos que não são vedados pelo Código de Ética. 🙂

Se a sua curiosidade só aumentou depois de ler este conteúdo, separamos alguns materiais que você pode gostar:

Agora é a sua vez! Você já sabia o significado dos símbolos da advocacia? Tem alguma curiosidade sobre o assunto para compartilhar com os outros leitores do blog? Comenta aqui embaixo! Vamos adorar saber o que você pensa sobre o assunto. 😉

Estabeleça
uma rotina organizada e produtiva de verdade!

O melhor software jurídico do mercado, agora gratuito.

Conheça o plano Light
Comentar
Recomendar
Vamos continuar a conversa?

  • Tharsilla disse:

    muito bom, me ajudou com o meu trabalho

  • Karllos Manoel disse:

    Excelente!!! fiquei feliz com as informações referente aos símbolos. Não sou advogado mas meu irmão é e eu curioso por saber desses símbolos e agora estou informado. Graças a esse site. valeu!!

  • João Dias disse:

    O Crucifixo é para honrar a Deus, fonte de toda a Justiça, Bondade e Misericórdia. Serve para lembrar que os juristas devem ser honestos e justos, pois irão passar eles mesmos pelo Tribunal de Jesus Cristo. Dentre tantos outros motivos, serve para lembrar que o Estado não é Absoluto e deve estar limitado à Igreja Católica, dando a Deus o que é de Deus (Fé, Moral, família, educação, etc.) e a Cesar o que é de Cesar (assuntos temporais), devendo haver o claro reconhecimento das Jurisdições Estatais e Eclesiásticas, não devendo o Estado tomar tudo para si, como já o faz há um século aqui no Brasil.

  • Hannah disse:

    Gostei dos esclarecimentos, ao ler me lembrei que no primeiro dia de aula de Direito Civil uma professora havia nos falado dos símbolos. Gostei da explicação em relação ao Crucifixo, apesar de não facilitar a compreensão do Estado Laico, muitas vezes questionado por terceiros quando o veem na parede. Mas é uma boa saída. Outra coisa interessante sempre pensei que a coruja estava ligada a pedagogia, enfim foi o que sempre ouvi… Bom saber que podemos usá-la no Direito também.

  • Rogério Abrandes disse:

    Futuramente essa expressão deverá ser corrigida, pois a justiça não é cega, e sim, foi a injustiça que prevaleceu em favor de algum culpado, e mesmo corroborado de provas condenatórias.Pois a justiça,deveria ser,o último recurso,da desigualdade. A força de separação entre o certo, e o errado, do bem entre o mal.

7 Comentários
Você está aqui