Saiba o que é a penhora de bens >

Saiba o que é a penhora de bens e como funciona na prática

Saiba o que é a penhora de bens e como funciona na prática

27 abr 2021
Artigo atualizado 14 ago 2023
27 abr 2021
ìcone Relógio Artigo atualizado 14 ago 2023
A penhora, prevista no Novo CPC a partir do art. 831, é um instrumento judicial que tem como finalidade garantir que um devedor pague suas dívidas através da constrição de seus bens e direitos em face do credor.

Provavelmente você já viu, perto de alguma agência da Caixa Econômica Federal ou outro banco, uma placa escrita “aqui tem penhor”, certo?

O penhor é muitas vezes confundido com a penhora em razão da nomenclatura aparentemente semelhante, mas trata-se de um outro instituto diferente da penhora. Por sua vez, a penhora é uma forma de garantir uma obrigação através da apreensão de um bem.

Por isso, neste artigo você vai entender quando ocorre a penhora e qual o procedimento correto a ser utilizado em casos necessários.

O que é penhora de bens?

A penhora, prevista no Novo CPC a partir do art. 831, é o ato judicial de apreender bens do devedor que sejam capazes de quitar a dívida discutida em processo.

Já o penhor, de acordo com o Código Civil (art. 1.225, inciso VIII), é um direito real e uma forma de garantir determinada dívida (art. 1.419 do Código Civil).

O que é penhora de bens no Novo CPC
Saiba o que é penhora de bens no Novo CPC

Qual o objetivo da penhora de bens?

O objetivo da penhora de bens é garantir o cumprimento de pagamento das dívidas de um devedor através da constrição de seus bens e direitos.

Qual a diferença entre penhora e penhor?

Quando é feito o penhor, a pessoa do devedor oferece um bem móvel, imóvel ou um direito, como garantia do cumprimento daquela dívida. Diferentemente da penhora, que é a apreensão do bem após a dívida já constituída.

No penhor, o devedor empenha/entrega um bem com o intuito de demonstrar que ele vai cumprir com o pagamento da dívida e que, se não for cumprido, é garantido ao credor que passe a ter direito de propriedade sobre aquele bem empenhado, ou seja, o bem passa a ser dele e não mais do devedor.

Por isso que muitas vezes é mais fácil conseguir um empréstimo empenhando um bem. Dessa forma, o risco de o credor não receber é menor. Muitas instituições até dispensam a análise cadastral ou um avalista para o contrato quando é feito o penhor.

É importante ficar claro que: a penhora é uma determinação judicial, já o penhor é um ato voluntário. Nos bancos, normalmente são aceitos bens como jóias, relógios, prataria e diamante como penhor e, depois de quitada a dívida, o bem é devolvido.

Todas as questões relativas ao procedimento do penhor estão previstas no Código Civil.

Penhora de bens no Novo CPC

O processo de penhora está previsto no Novo CPC a partir do art. 831, que dispõe:

Seção III
Da Penhora, do Depósito e da Avaliação
Subseção I
Do Objeto da Penhora
Art. 831. A penhora deverá recair sobre tantos bens quantos bastem para o pagamento do principal atualizado, dos juros, das custas e dos honorários advocatícios.”

Em outras palavras, isso quer dizer que devem ser penhorados quantos bens forem necessários para que seja quitada não só a dívida, mas também os juros, custas e honorários advocatícios relacionados à execução da mesma.

Portanto, a penhora pode ocorrer numa ação de execução ou na fase de cumprimento de sentença de uma ação ordinária

Em ambos os casos, o procedimento é o mesmo: o devedor é intimado a pagar, de forma voluntária, a dívida ou a condenação, no caso do cumprimento de sentença. Não o fazendo de forma voluntária, inicia-se a execução forçada por meio da penhora de bens.

No vídeo abaixo, o prof. Me. Renê Francisco Hellman, do do curso de Direito da FATEB, explica o que é a penhora no Novo CPC:

Bens impenhoráveis

É importante ressaltar que a Lei prevê alguns bens que são impenhoráveis, ou seja, não estão sujeitos à constrição e não podem servir para quitar dívidas judiciais. Esses bens estão previstos no rol taxativo do art. 833 do CPC/15. 

Para entender mais sobre a impenhorabilidade e suas exceções, recomendo a leitura do artigo sobre bens impenhoráveis disponível no Portal da Aurum.

Qual a ordem de penhora de bens?

É muito comum ouvir falar em penhora de bens móveis, como veículos ou imóveis. Porém, esta não é a primeira medida a ser tomada nos casos em que o devedor não salda sua dívida.

Art. 835 do Novo CPC

O CPC prevê, no art. 835, a ordem preferencial de bens à serem penhorados: 

Art. 835. A penhora observará, preferencialmente, a seguinte ordem:
I – dinheiro, em espécie ou em depósito ou aplicação em instituição financeira;
II – títulos da dívida pública da União, dos Estados e do Distrito Federal com cotação em mercado;
III – títulos e valores mobiliários com cotação em mercado;
IV – veículos de via terrestre;
V – bens imóveis;
VI – bens móveis em geral;
VII – semoventes;
VIII – navios e aeronaves;
IX – ações e quotas de sociedades simples e empresárias;
X – percentual do faturamento de empresa devedora;
XI – pedras e metais preciosos;
XII – direitos aquisitivos derivados de promessa de compra e venda e de alienação fiduciária em garantia;
XIII – outros direitos.”

Portanto, como pode-se observar, é preferível que seja penhorada a quantia da dívida em dinheiro antes que seja tomado algum veículo, por exemplo. O parágrafo 1o do art. 835 vem confirmar a ideia de que a penhora em dinheiro é prioritária

Isso acontece porque o procedimento para recebimento de valores em dinheiro é muito mais célere do que o procedimento que deve ser feito quando penhora-se bens móveis ou imóveis, pois envolve outros procedimentos como avaliação do bem, leilão, adjudicação, levantamento do valor, etc.

Ultrapassada a tentativa de penhora em dinheiro, o parágrafo 1o também comanda que a ordem pode ser invertida caso seja o entendimento do Juiz se verificar a existência de navios ou aeronaves que possam ser penhorados.

No entanto, na prática dificilmente isso acontece, mesmo quando resta demonstrado que existem outros bens passíveis de penhora. Foi o que ocorreu em um caso que atuei: o juiz não permitiu que um bem imóvel fosse penhorado antes que verificado se havia saldo em dinheiro ou veículos disponíveis em nome do executado.

Mais segurança na sua rotina jurídica
Mais liberdade no dia a dia
O Astrea automatiza as tarefas repetitivas e otimiza a gestão do seu escritório para você ter mais tranquilidade. O Astrea otimiza a gestão jurídica do seu escritório para você ter mais tempo e tranquilidade.
Experimentar Grátis

Como funciona a penhora na prática

Penhora em dinheiro

Atualmente, o bloqueio de valores em dinheiro e outros ativos é feito de forma online (penhora online) pelo sistema SISBAJUD (até setembro de 2020 era utilizado o sistema BACENJUD, que tinha uma pesquisa menos abrangente que o atual). 

O sistema do Banco Central do Brasil, a pedido do magistrado responsável pelo processo de execução ou cumprimento de sentença, identifica eventuais valores disponíveis no CPF do devedor e faz o bloqueio da quantia determinada. O valor bloqueado é imediatamente transferido a uma conta judicial vinculada ao processo

Após isso, o devedor tem o prazo de 15 dias úteis para se manifestar sobre o bloqueio e se não houver justificativa que imponha a liberação dos valores, eles são transferidos ao credor por meio de alvará judicial.

Se o valor bloqueado for maior que o valor da dívida, libera-se o que exceder. E se o valor bloqueado for menor, o credor deve apontar outros bens passíveis de penhora para saldar a execução.

Penhora de bens móveis/imóveis

No caso da penhora de outros bens que não sejam em dinheiro, quem faz o procedimento é o Oficial de Justiça, que também faz a avaliação do bem. Se forem necessários conhecimentos específicos, a depender do tipo de bem, o juiz deve nomear um avaliador especializado. O procedimento de avaliação está previsto no CPC, nos arts. 870 a 875.

Após a avaliação, inicia-se a fase de expropriação do bem que pode ser pela adjudicação ou alienação. 

A adjudicação ocorre quando o bem é transferido ao credor, no intuito de satisfazer a dívida. Já a alienação é o procedimento mais comum e consiste na venda do bem por meio do leilão ou diretamente a um particular que manifeste interesse. O procedimento da alienação está previsto desde o art. 879 até o art. 903 do CPC/15.

Sendo entregue o dinheiro bloqueado, da alienação ou adjudicado o bem, ocorre a satisfação da dívida e finalização do processo de execução.

Impugnação à penhora

A impugnação à penhora é o meio pelo qual o devedor pode arguir quaisquer questões relativas à penhora e avaliação. Ela pode ser feita nos próprios autos da execução e não é necessário opor embargos para tanto.

É o que prevê o art. 917, parágrafo 1o:

Art. 917. Nos embargos à execução, o executado poderá alegar:
§ 1º A incorreção da penhora ou da avaliação poderá ser impugnada por simples petição, no prazo de 15 (quinze) dias, contado da ciência do ato.”

No processo de execução, após o prazo para pagamento voluntário, havendo ou não a penhora, o executado tem mais 15 dias úteis para apresentar sua impugnação, seguindo o que preceitua o art. 525, parágrafo 1o:

Art. 525. Transcorrido o prazo previsto no art. 523 sem o pagamento voluntário, inicia-se o prazo de 15 (quinze) dias para que o executado, independentemente de penhora ou nova intimação, apresente, nos próprios autos, sua impugnação.
§ 1º Na impugnação, o executado poderá alegar:
I – falta ou nulidade da citação se, na fase de conhecimento, o processo correu à revelia;
II – ilegitimidade de parte;
III – inexequibilidade do título ou inexigibilidade da obrigação;
IV – penhora incorreta ou avaliação errônea;
V – excesso de execução ou cumulação indevida de execuções;
VI – incompetência absoluta ou relativa do juízo da execução;
VII – qualquer causa modificativa ou extintiva da obrigação, como pagamento, novação, compensação, transação ou prescrição, desde que supervenientes à sentença.”

Penhora no rosto dos autos

Dentre os outros direitos previstos no art. 835, é possível que sejam penhorados créditos que o devedor venha a receber em outros processos judiciais em que ele figure como credor ou parte autora, inclusive em processo de inventário que ele faça jus à cota herança.

Essa modalidade de penhora está prevista no art. 860 do CPC:

Art. 860. Quando o direito estiver sendo pleiteado em juízo, a penhora que recair sobre ele será averbada, com destaque, nos autos pertinentes ao direito e na ação correspondente à penhora, a fim de que esta seja efetivada nos bens que forem adjudicados ou que vierem a caber ao executado.”

Nesses casos, quando o Oficial de Justiça lavrar o termo de penhora desse crédito, o escrivão responsável pela secretaria onde tramita o processo deverá ser intimado para que faça constar nos autos a constrição do valor, fazendo a chamada penhora no rosto dos autos.

A nomenclatura, “no rosto dos autos”, advém da época em que tal anotação era feita na capa do processo físico. Atualmente, com o processo eletrônico, a informação é anotada no próprio sistema.

Penhora de bem móvel ou imóvel em alienação fiduciária

Outra questão prática é quanto ao bem em alienação fiduciária. Ela é mais um tipo de garantia muito parecida com o penhor.

Assim, o devedor transfere um bem, seja móvel ou imóvel ao credor da dívida, enquanto ela perdurar. Se a dívida não for paga, o credor tem o direito de tomar o bem.

No entanto, o questionamento é: o bem em alienação fiduciária pode ser penhorado? 

De acordo com o entendimento recente do STJ (REsp 1.819.186), isso não pode ocorrer, já que o bem alienado fiduciariamente não integra o patrimônio do devedor. 

Porém, nada impede que haja a constrição pela penhora no contrato de alienação. Isso permite que o bem seja penhorado assim que o contrato for encerrado com a quitação da dívida, momento em que o bem volta a pertencer ao devedor.

E quando não há bens a penhorar?

Na hipótese de não haver bens à penhora, de acordo com o art. 921, inciso III do CPC, a execução deve ser suspensa pelo prazo de 1 ano. Se após esse período não forem encontrados bens, o processo deverá ser arquivado.

Art. 921. Suspende-se a execução:
(…)
III – quando o executado não possuir bens penhoráveis;
(…)
§ 1º Na hipótese do inciso III, o juiz suspenderá a execução pelo prazo de 1 (um) ano, durante o qual se suspenderá a prescrição.
§ 2º Decorrido o prazo máximo de 1 (um) ano sem que seja localizado o executado ou que sejam encontrados bens penhoráveis, o juiz ordenará o arquivamento dos autos.
§ 3º Os autos serão desarquivados para prosseguimento da execução se a qualquer tempo forem encontrados bens penhoráveis.”

Conforme o parágrafo 3o, caso sejam encontrados bens a execução pode ser desarquivada para prosseguimento.

Principais dúvidas sobre penhora

O que significa penhora?

A penhora é uma forma de garantir uma obrigação através da apreensão de um bem e está prevista no Novo CPC a partir do art. 831. Clique aqui para saber mais sobre o tema!

Qual a ordem de penhora?

Conforme o art. 835 do CPC/15, a penhora seguirá a seguinte ordem: dinheiro; títulos da dívida pública;  títulos e valores mobiliários com cotação e mercado; veículos de via terrestre; bens imóveis; bens móveis em geral; entre outros.

O que acontece quando não há bens para penhorar?

Na hipótese de não haver bens à penhora, a execução deve ser suspensa pelo prazo de 1 ano. Se após esse período não forem encontrados bens, o processo deverá ser arquivado. Mas caso sejam encontrados bens, a execução pode ser desarquivada para prosseguimento.

Resumo do conteúdo

Você percebeu como o procedimento de penhora de valores em dinheiro é muito mais simples e rápido do que a penhora de bens móveis ou imóveis? É por este motivo que o Novo CPC prevê a ordem de preferência.

A penhora, então, é o ato judicial de apreender bens do devedor que sejam capazes de quitar a dívida discutida no processo. Diferentemente do penhor, que é um tipo de garantia.

Na prática, o instituto da penhora tem algumas especificidades a depender do bem que está sendo penhorado e da disponibilidade ou não desse bem.

Por isso, é importante atentar-se aos bens impenhoráveis previstos e a qualquer outro gravame que o bem do devedor possua antes de indicá-lo à penhora durante a execução.

Mais conhecimento para você

Para que você continue a sua jornada de conhecimento, indico os seguintes temas:

Gostou do artigo e quer evoluir a sua advocacia?

Assine grátis a Aurum News e receba uma dose semanal de conteúdo no seu e-mail! ✌️

Ao se cadastrar você declara que leu e aceitou a política de privacidade e cookies do site.

Ficou com alguma dúvida? Precisa de mais alguma informação?  Comente aqui embaixo! Vamos adorar saber a sua opinião 🙂


Social Social Social Social

Advogada (OAB 158955/MG) desde 2015, com escritório em Belo Horizonte/MG. Bacharela em Direito, pela Faculdade de Direito Milton Campos. Especialista em Direito Tributário, pela Faculdade Milton Campos. Especialista em Direito Médico e Hospitalar, pela Faculdade Unyleya e pelo IPDMS. Pós...

Ler mais
Tem algo a dizer?

Deixe seu comentário e vamos conversar!

18

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


  • Adv.Ronaldo Medeiros 21/02/2024 às 15:39

    Quero expôr a minha satisfação de parcipar desse emérito blog, mesmo com pequeno comentário participativo processualista…!

    • Camila Amaral 23/02/2024 às 10:08

      Obrigada por acompanhar o Portal da Aurum, Ronaldo! É uma alegria ter sua participação aqui nos comentários 🖤

  • Aline 08/02/2024 às 13:28

    Não tem bens no nome, porem o Juiz determinou uma porcentagem de 20% por mês pago todo dia 10 por guia da justiça… Essa divida já esta em 46mil continua tendo acréscimo no valor total de juros, congela nesse valor e vai diminuindo dos depósitos ou vou levar 26 anos pra pagar nessas condições?

  • Antonilio Mota de Oliveira 18/10/2023 às 14:22

    Sou advogado, estava com algumas duvidas sobre, Penhora no rosto dos autos, este artigo me ajudou muito, excelente o artigo, sobre todos os tipos de penhora, gostei muito

  • VERA LUCIA OLIVEIRA DINIZ DE BARROS 11/07/2023 às 23:39

    Artigo magnifico… obrigada.

    • Camila Amaral 04/08/2023 às 15:16

      Oi, Vera! Fico muito feliz que tenha gostado. 😉

  • John C Knak 07/07/2023 às 15:08

    quantas vezes pode ser suspenso um processo por falta de bens a penhorar? e se após um ano de suspensão o processo não é arquivado, mesmo sem bens a penhorar? depois de arquivado, quantos anos depois pode o processo ser ativado se localizados bens?

    • Thuane Kuchta 10/07/2023 às 12:03

      Olá, John, tudo bem?

      De acordo com o Código de Processo Civil (CPC), quando o devedor não possui bens passíveis de penhora, o processo pode ser suspenso. Essa suspensão pode ocorrer por até 1 ano de acordo com o Art. 921, inciso III do CPC. Após esse período, se não forem encontrados bens para garantir a dívida, o processo será arquivado sem a extinção da dívida.

      O processo poderá ser reativado a qualquer momento, se forem localizados bens do devedor, até o prazo prescricional da dívida. Esse prazo varia de acordo com o tipo de dívida, mas em muitos casos é de 5 anos, conforme o Art. 206 do Código Civil.

      Porém, a interpretação dessas regras pode variar e também pode haver alterações legislativas. Por isso, aconselhamos procurar aconselhamento de um profissional de direito para obter informações atualizadas e aplicáveis ao seu caso específico 🙂

Bullets
aurum recomenda

Conteúdos para elevar sua atuação na advocacia

Separamos os principais artigos sobre advocacia e tecnologia para você!

Ícone E-mail

Assine grátis a Aurum News e receba uma dose semanal de conteúdo gratuito no seu e-mail!

Ao se cadastrar você declara que leu e aceitou a política de privacidade e cookies do site.