Mais de 50.000 advogados encontraram tranquilidade na rotina jurídica com o Astrea! ✌️ Comece grátis

erro material

Entenda o que é e como ocorre o erro material no Novo CPC

19 jan 2021
ìcone Relógio Artigo atualizado 25 ago 2021
O erro material abrange inexatidões materiais e erros de cálculo e está previsto no artigo 494, I do Novo CPC. São erros reconhecíveis à primeira vista, que apesar de ser necessária a correção, não alteram o resultado do julgamento.

O CPC é o responsável por determinar a forma dos atos praticados em um processo judicial, trazendo maior efetividade e adequação para os autos.

Por isso, grande parte dos atos processuais tem sua estrutura determinada no Novo Código Processual Civil, evitando que ocorram erros ou inovações que não condizem com a peça elaborada.

Dentre tais fatos que o CPC previne que não ocorra é o erro material, que consiste em um equívoco ou informação incorreta, bem como ausência de palavras, erro de digitação, troca de nomes, dentre outros. O erro material já estava previsto no CPC/73 e que foi mantido no CPC/15, passando a ser tratada de forma clara no novo regramento.

Continue lendo para entender mais! 😉

O que é erro material?

Erro material abrange inexatidões materiais e erros de cálculo, previstos no artigo 494, I do Novo CPC. São erros reconhecíveis à primeira vista, que apesar de ser necessária a correção, não alteram o resultado do julgamento.

Sendo assim, o erro material não é um vício de conteúdo do julgamento proferido, mas sim da forma que foi exteriorizado.

Esse erro pode ser em um cálculo, troca de palavras, grafia equivocada, ou qualquer incorreção visível na sentença ou decisão que o juiz proferir.

Entenda o que é erro material
Entenda o que é erro material no Novo CPC

Quando ocorre o erro material?

O erro material ocorre em sentença ou outra decisão proferida pelo juiz, sendo um vício sanável por meio do recurso de embargos de declaração

Conforme o art. 494 do Novo CPC:

Art. 494. Publicada a sentença, o juiz só poderá alterá-la:
I – para corrigir-lhe, de ofício ou a requerimento da parte, inexatidões materiais ou erros de cálculo;
II – por meio de embargos de declaração.”

Por isso, o erro material é aquele perceptível e sem maior exame, acarretando um desacordo entre a vontade do juiz e a que fora expressa na sentença.

Tais erros são passíveis de acontecer porque muitas vezes as decisões e sentenças são longas e complexas, o que é humanamente possível que o juiz erre.

O intuito da previsão é justamente reconhecer que pequenos erros podem acontecer e que podem ser devidamente sanados.

A jurisprudência a seguir pode ilustrar a ocorrência do erro material.

Jurisprudência sobre erro material

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO NOS RECURSOS ESPECIAIS. ERRO MATERIAL. CONFIGURADO QUANTO À DATA DA PROPOSITURA DA AÇÃO RESCISÓRIA. CORREÇÃO. VALOR DA CAUSA. AUSÊNCIA DE DEVOLUTIVIDADE. MATÉRIA NÃO APRECIADA. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO PARCIALMENTE ACOLHIDOS. (STJ – Acórdão Edcl no Resp 1387667 / Sp, Relator(a): Min. Raul Araújo, data de julgamento: 01/12/2015, data de publicação: 16/12/2015, 4ª Turma).”

Diferença entre erro material e erro formal

O erro material é aquele erro perceptível, sendo que qualquer pessoa é capaz identificá-lo.

Trata-se de um erro que necessita ser corrigido, visto ser algo que não reflete a realidade da situação definida em sentença. 

Os principais exemplos são: troca de nomes, digitar um nome de forma incorreta, erro de cálculos.

Já o erro formal é um erro relativizado, ou seja, ele é um erro na forma do documento quando o procedimento foi realizado incorretamente.

Quando falamos de erro formal é importante lembrar que ele acarreta a anulação somente dos atos que não possam ser aproveitados, conforme o art. 283 do CPC:

Art. 283. O erro de forma do processo acarreta unicamente a anulação dos atos que não possam ser aproveitados, devendo ser praticados os que forem necessários a fim de se observarem as prescrições legais.

Parágrafo único. Dar-se-á o aproveitamento dos atos praticados desde que não resulte prejuízo à defesa de qualquer parte
.”

O erro formal no procedimento, se não causar prejuízo às partes, não justifica a anulação do ato impugnado, até mesmo em observância ao princípio da economia processual.

Como exemplo, temos a inversão da ordem de oitiva de testemunhas em um caso concreto e a produção de documento feita de maneira diferente do solicitado. 

Erro material como requisito dos embargos de declaração

Esse tipo de incorreção na decisão ou sentença pode ser corrigido com a interposição do recurso de embargos de declaração, nos termos do artigo 1.022 do Novo CPC:

Art. 1.022. Cabem embargos de declaração contra qualquer decisão judicial para:
I – esclarecer obscuridade ou eliminar contradição;
II – suprir omissão de ponto ou questão sobre o qual devia se pronunciar o juiz de ofício ou a requerimento;
III – corrigir erro material
.”

Caso os embargos sejam providos, o julgamento passará a complementar ou aperfeiçoar a decisão que fora embargada.

Por isso, o erro material é considerado um requisito dos embargos de declaração, ou seja, se não constar esse erro na decisão ou algum dos outros três requisitos (omissão, contradição ou obscuridade), o recurso não será acolhido.

A seguinte jurisprudência do Tribunal de Justiça de São Paulo confirma a explicação:

EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. OBSCURIDADE. CONTRADIÇÃO. ERRO MATERIAL. AUSÊNCIA DOS PRESSUPOSTOS DO ART. 1.022 DO CPC. INADMISSIBILIDADE. CARÁTER MANIFESTAMENTE INFRINGENTE. EMBARGOS REJEITADOS. (TJSP – Acórdão Embargos de Declaração 1002749-53.2018.8.26.0127, Relator(a): Des. Vito Guglielmi, data de julgamento: 11/11/2018, data de publicação: 11/11/2018, 6ª Câmara de Direito Privado).”

https://www.aurum.com.br/blog/wp-content/uploads/2021/07/mobile-anuncio.svg
Aproveite!
Estabeleça uma rotina organizada do início ao fim sem comprometer o orçamento
Quero conhecer grátis

Conclusão

Erros acontecem e o ser humano está sujeito a falhas, inclusive os magistrados. Em razão disso, o Código Processual Civil trouxe a previsão desse erro e a possibilidade de correção.

A lei deve prever esse tipo de situação para que não seja necessária a criação de jurisprudência ou outro meio para sanar o problema. Por isso, o importante é ter consciência de que esse erro material pode ser sanado por meio do recurso de embargos de declaração e assim tornar a decisão completa e livre de incorreções.

Mais conhecimento para você

Se você gostou do texto e deseja seguir a leitura em temas de Direito e advocacia, indico que navegue em outros conteúdos do Portal da Aurum. Você pode começar pelos indicados abaixo:

Gostou do artigo e quer evoluir a sua advocacia?

Assine grátis a Aurum News e receba uma dose semanal de conteúdo no seu e-mail! ✌️

Ao se cadastrar você declara que leu e aceitou a política de privacidade e cookies do site.

Alice Aquino Delgado
Social Social Social Social

Sou advogada (OAB 423738/SP), Bacharela em Direito pela UNG – Universidade Guarulhos, pós graduada em Direito Público, Direito Civil e Direito Processual Civil pela Faculdade Legale. Atuo na área cível, com especialização em recuperação de crédito e responsabilidade civil. Auxilio...

Ler mais
Tem algo a dizer?

Deixe seu comentário e vamos conversar!

6

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


  • MARCOS ANTONIO ROCHA 29/08/2021 às 22:10

    Postei uma petição onde deveria chamar a parte autora de Exequente, mas em alguns momentos foi chamada de Reclamante.
    Como resolver?

Bullets
aurum recomenda

Conteúdos para elevar sua atuação na advocacia

Separamos os principais artigos sobre advocacia e tecnologia para você!

Ícone E-mail

Assine grátis a Aurum News e receba uma dose semanal de conteúdo gratuito no seu e-mail!

Ao se cadastrar você declara que leu e aceitou a política de privacidade e cookies do site.
Mais de 50.000 advogados já disseram adeus à burocracia

Automatize a sua rotina jurídica com o Astrea e invista tempo em crescer seu escritório.

Comece grátis no Astrea