Quais são os sintomas de negligenciar o planejamento na advocacia

Conheça quais são os sintomas de negligenciar o planejamento na advocacia

Comentar
Recomendar

Os sintomas de negligenciar o planejamento da advocacia aparecem em todos níveis hierárquicos de um escritório e são divididos em três tipos de danos: os psicológicos, físicos e organizacionais.

Você já se pegou pensando em como exercer a advocacia é exaustivo? Ou então, já passou por várias semanas de trabalho difíceis e cansativas em que quase desejou mudar de profissão?

Pois é, temos que admitir que a advocacia é sim uma profissão com inúmeras complexidades, pois lida com demandas complexas, adversidades e pessoas que estão enfrentando problemas. 

Porém, é importante ter clareza sobre um fato: a constante sensação de exaustão não é normal! Ela pode sim ser comum, mas a normalização dela só acontece porque a repetição dos processos e erros pode fazer você acreditar que tudo é “parte do processo”. 

Tudo isso não tem nada a ver com a normalidade. É apenas parte das consequências da falta de planejamento na advocacia, que gera a sensação de que estamos sempre correndo, mas nunca chegando aos objetivos. 

Mas recupere o fôlego e não se desespere!  Há formas de identificar e até mesmo prevenir esses sintomas, e nós vamos falar sobre isso neste artigo. 

Navegue por este conteúdo

Para facilitar a leitura, preparei esse menu em que você pode clicar nos tópicos abaixo e ir direto ao ponto que achar mais interessante.

  1. Os danos de negligenciar o planejamento na advocacia
    1.1. Físicos
    1.2. Psicológicos
    1.3. Organizacionais
  2. Os 7 sintomas de negligenciar o planejamento na advocacia
    2.1. Ansiedade constante
    2.2. Crise de identidade
    2.3. Dificuldade para tomar decisões
    2.4. Custos inesperados
    2.5. Dificuldade para fidelizar clientes
    2.6. Repetição de erros
    2.7. Conflitos contínuos com a equipe
  3. Como parar de negligenciar o planejamento na advocacia?
    3.1. Analise o cenário atual
    3.2. Desenhe o planejamento estratégico
    3.3. Conte com boas ferramentas e parceiros
  4. Conclusão

Os danos de negligenciar o planejamento na advocacia

Assim como as descrições de doenças, podemos dizer que negligenciar o planejamento na advocacia gera sintomas. Esses sintomas podem ser físicos, psicológicos e organizacionais.

Felizmente, é possível tratar e prevenir esses sintomas. Mas primeiro vamos descobrir como identificá-los. 

Físicos

Os principais sintomas físicos de negligenciar o planejamento na advocacia são:

  • Cansaço; 
  • Falta de apetite; 
  • Dores musculares; 
  • Dores de cabeça;

Estas são sempre consequências do acúmulo dos sintomas psicológicos, que você verá abaixo.

Psicológicos

Os principais sintomas psicológicos de negligenciar o planejamento na advocacia são:

  • Irritabilidade;
  • Agressividade; 
  • Baixa autoestima;  
  • Desânimo e apatia;  
  • Ansiedade; 
  • Sentimentos de derrota, de fracasso e de insegurança; 
  • Isolamento social.

Talvez você esteja se perguntando “mas como assim sentimento de fracasso é sintoma da falta de planejamento?”. Para visualizar melhor, vale imaginar uma situação prática: você perdeu o prazo de um processo importante porque estava absorvido por diversas outras demandas. Com isso, seu cliente teve um grande prejuízo e agora você está se sentindo um verdadeiro fracasso da profissão. Imaginou?

Pois é, essa situação descrita aborda exatamente um exemplo de sintoma psicológico da falta de planejamento. E mostra também que os sintomas psicológicos estão diretamente relacionados aos organizacionais

Organizacionais

Os principais sintomas organizacionais de negligenciar o planejamento na advocacia são:

  • Dificuldade para tomar decisões; 
  • Custos elevados e inesperados;
  • Dificuldade para fidelizar clientes; 
  • Crises e conflitos entre parceiros e sócios.

Esses são os danos mais próximos das causas. Porém, apesar de serem mais fáceis de visualizar, não raramente são os mais difíceis de identificar. Isso acontece porque muitas vezes estamos tão absorvidos por eles, que não os vemos com clareza.

Nesse cenário, com esses três tipos de sintomas, se pensarmos a nível organizacional, é realmente possível ver a falta de planejamento como uma doença, já que ela pode adoecer o escritório e até mesmo levá-lo à falência

No decorrer deste artigo, traremos luz sobre o assunto, pensando em formas de prevenir esses sintomas. Mas, primeiro abordaremos 7 dos principais sintomas de negligenciar o planejamento, trazendo exemplos práticos.

7 sintomas de negligenciar o planejamento na advocacia

Abaixo estão 7 dos principais sintomas de negligenciar o planejamento dentro de um escritório de advocacia. Vamos entende-los mais a fundo? 

Os 7 sintomas de negligenciar o planejamento na advocacia
Os 7 sintomas de negligenciar o planejamento na advocacia

Ansiedade constante

A ansiedade é um dos principais motivos de adoecimento no trabalho. Inclusive, quando somamos a ansiedade com a depressão, resulta em 49% de todos os casos classificados como transtornos mentais nascidos ou agravados no ambiente de trabalho no Brasil (CANPAT, 2017).

De acordo com a Secretaria do Trabalho e Ministério da Economia, em um estudo feito em 2017, entre as causas de afastamentos do trabalho, os problemas psicológicos perdem apenas para os casos de Lesão por Esforço Repetitivo/ Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho – LER/DORT.

Consegue imaginar a dimensão deste problema? Se uma pessoa só tivesse o sentimento contínuo de ansiedade no ambiente de trabalho, já teríamos um grande problema, tendo em vista o quanto é delicado lidar com isso na prática. Porém, estamos falando de um problema que atinge muito mais pessoas do que imaginamos. Inclusive, se você sofre com isso, deixamos nossos votos de apoio! 

Além disso, é imprescindível um olhar com atenção e cuidado para isso no ambiente de trabalho. O agravamento e acúmulo de situações de muito estresse podem acabar gerando problemas sérios como a síndrome de burnout: processo de adoecimento que resulta de um ambiente de trabalho caótico, com pouco planejamento e organização, que acaba gerando altos níveis de pressão e estresse. 

Crise de identidade

Você já se perguntou se está na área certa? Se o direito é mesmo para você? Para além disso, em momentos de desespero, já se sentiu que era uma pessoa perdida e teve a certeza que não estava na profissão certa?

Essas dúvidas são parte do que se intitula: crises de identidade. Dessa forma, elas podem acontecer por vários motivos e é comum que passemos por elas pelo menos uma vez na vida. 😅 Mas ter esse sentimento de forma recorrente pode ser um sinal claro da falta de planejamento.

Isso porque a visão estratégica de onde seu escritório está e onde você quer chegar é que vão trazer para a sua mente a tranquilidade e a clareza sobre para onde você quer ir e os porquês das dificuldades no caminho.

Dessa forma, não ter clareza de para onde você quer ir e os caminhos possíveis, pode te deixar completamente vulnerável a vivenciar algumas crises, especialmente em momentos de dificuldade. 

Dificuldade para tomar decisões

A dificuldade para tomar decisões é um dos sintomas organizacionais mais clássicos de negligenciar o planejamento na advocacia. E se divide em dois tipos:

  • Situações mais simples, como investir em um evento de advocacia; 
  • Situações mais complexas, como investir em contratações ou aceitar um cliente com uma chance de alto faturamento, porém numa situação de grande risco.

Essas indecisões acontecem porque sem planejar, você não gera dados e insumos para aprender com as situações pelas quais seu escritório passa. Por isso, não tem clareza sobre onde quer chegar. Dessa forma, até as decisões mais simples podem ser difíceis de serem tomadas. 

Custos inesperados

Os custos inesperados podem ser resultados das decisões que você toma. Percebe como negligenciar o planejamento gera uma reação em cadeia?  Sem dados e referencial de um caminho a ser trilhado, suas decisões podem gerar custos altos.

Além disso,  a falta de planejamento muitas vezes dificulta a visualização de diversos custos que mesmo fazendo um bom planejamento seu escritório teria. Como os custos com OAB anual, luz, internet, contabilidade, transporte e entre outros, que não há como evitar e são de rotina. Porém, sem planejar, seu escritório pode ser pego de surpresa, representando um grande problema para o escritório. 

Nesse contexto, fica claro como planejar pode auxiliar não só em economizar, mas também a fazer uma boa distribuição do seu orçamento. 

Dificuldade para fidelizar clientes

Para cultivar seus clientes, é preciso, no mínimo, uma estratégia de fidelização, que envolve pensar em diversas práticas para tornar o atendimento cativante e acolhedor, certo?

Nesse cenário, algumas ações podem ser efetivas, entre elas: 

  • Proximidade;
  • Atenção
  • Esclarecimento a dúvidas; 
  • Clareza sobre as etapas do processo.

Porém, nenhuma dessas ações é possível de acontecer de maneira organizada e agradável para o cliente, se não houver um bom planejamento com previsão de cronogramas, ferramentas e alinhamentos de equipe.

Repetição de erros 

Você já se pegou em uma situação de repetição de um mesmo erro em que pensou: “como pude cometer esse erro de novo?”

Essas situações acontecem porque sem um planejamento estratégico, raramente sobrará tempo para organização, levantamento de dados, retrospectivas e percepção de aprendizados.

Por isso, os mesmos erros acabam sendo cometidos, tanto por você não conseguir identificá-los com clareza, quanto por estar no meio do caos e não conseguir parar para realizar as atividades com atenção.

Conflitos contínuos com a equipe

Se você tem muitos conflitos com quem está à sua volta, seja com sua equipe de escritório ou seus parceiros e fornecedores, e não consegue entender o motivo,  faça o seguinte exercício:

Reúna todos os problemas citados acima e imagine cada uma das pessoas do seu escritório passando por um deles. Fica fácil perceber porque os conflitos acontecem, não é?

A verdade é que, na maioria das vezes, todas as pessoas estão tentando fazer o seu melhor.  Porém, sem planejamento e estratégia, cada um acaba caminhando para um lado

Nesse cenário, todos estão buscando resultados diferentes, já que não há clareza sobre o resultado em comum.

Dessa forma, podem surgir inúmeras situações que vão desde desentendimentos até colaboradores que agem de maneira competitiva com seus colegas, colocando o resultado individual acima do resultado coletivo e da saúde do escritório. 

Como parar de negligenciar o planejamento na advocacia?

É possível que, ao chegar até aqui, você tenha tomado um choque de realidade e esteja vendo as consequências de negligenciar o planejamento com outros olhos. Nesse momento, é possível que surja o seguinte questionamento: mas por onde eu começo? 

Primeiramente, comece com: respirar fundo e se tranquilizar, porque existem caminhos, ferramentas e metodologias que podem auxiliar a tornar esse processo muito mais tranquilo.

Abaixo você encontrará três pontos imprescindíveis para saber antes de começar a planejar, confira! 

Analise o cenário atual

Não há como aprimorar aquilo que não conhecemos, concorda? Então, comece fazendo uma análise da situação atual do seu escritório. Reúna informações sobre o cenário atual do mercado, a realidade organizacional, o tipo de público que você atinge e as principais ações que já realiza.

A partir disso, faça um registro dessas informações. Esta ação te dará condições de começar a visualizar tudo que tem dado certo e errado, além de onde você está e onde você quer chegar.

A partir da clareza do que você realiza, comece a dirigir seus esforços para a  importância do feedback, colete ideias, sugestões e críticas de clientes e parceiros sobre as ações do seu escritório. 

Uma boa ferramenta para utilizar nesta etapa de descobertas é a análise SWOT, que traz clareza sobre aspectos positivos e negativos do seu escritório, levando em conta tanto os aspectos internos, quanto externos.

Desenhe o planejamento estratégico

Assim como na etapa anterior, nesta você precisará contar com materiais e ferramentas adequadas para conseguir realizar o processo.

Nesse contexto, o ideal é ler alguns conteúdos que tragam uma visão de planejamento já focado na advocacia, para otimizar seu tempo e agregar valor ao processo.

Por isso, aqui no blog Aurum temos diversos conteúdos e materiais, desde artigos até planilhas e modelos, que podem auxiliar nessa construção. Como nosso artigo sobre planejamento estratégico para escritórios de advocacia, apresenta um passo a passo que abrange: 

  • Estabelecer metas mensuráveis;  
  • Delegar tarefas e atribuir responsabilidades; 
  • Utilizar as ferramentas certas.

Quando você estiver nesta etapa de estruturar como vai realizar o planejamento, este artigo com certeza vai te auxiliar! 

Para acessar o planejamento estratégico para escritórios de advocacia, clique aqui

Conte com boas ferramentas e parceiros 

Durante a ação de planejamento é preciso que você já tenha clareza da importância de cultivar boas parcerias e escolher as ferramentas corretas para realizar a acompanhar as tarefas. 

Para isso, comece entendendo o seu cenário, ações e objetivos. Com isso, você terá maior clareza sobre como algumas tarefas simples, que sempre foram feitas do  mesmo modo, podem sim ser otimizadas. Quer um exemplo prático? É possível automatizar o acompanhamento processual e torná-lo mais ágil. 

Para saber mais sobre quais são as ferramentas adequadas para o seu escritório, confira esse artigo sobre ferramentas para advogados,  em que você vai encontrar algumas das melhores ferramentas para sua rotina.

Conclusão

Existem três tipos de danos ao negligenciar o planejamento na advocacia: os físicos, psicológicos e organizacionais.

Com isso, você percebeu que as consequências da falta de planejamento muitas vezes se manifestam de uma maneira pouco visível aos olhos, podem ser mais graves do que imaginamos, certo? 

Além disso, você conferiu os 7 principais sintomas de não planejar e como eles podem levar o seu negócio e sua carreira ao adoecimento se não são tratados.

Por fim, conversamos sobre três pontos imprescindíveis para saber antes de começar a planejar: análise de cenário, estruturação do planejamento e ferramentas. 

Com tudo isso posto, é indispensável perceber como já não dá mais para adiar a construção de um bom planejamento. Afinal, para obter resultados no futuro, você precisa começar agora. 

Porém, para que o planejamento se concretize realmente, o importante é não tentar começar fazendo logo de cara um planejamento extraordinário, porque isso pode se tornar distante demais e consequentemente impossível.

Busque ir com calma e fazer uma tarefa por vez. Além disso, se você tem disposição  para começar agora, mas realmente não pode ter custos neste momento, procure experimentar ferramentas gratuitas. 

Aqui na Aurum nós temos o Astrea, um software jurídico que melhora sua produtividade e abre mais espaço na sua agenda. Assim você conseguirá delegar mais tempo em ações estratégicas. 

E aí, que tal começar hoje? É chance de você dar o pontapé inicial de maneira gratuita e sem compromisso!

Comece a usar o Astrea grátis e comprove”

E aí, gostou do conteúdo? Ficou com alguma dúvida? Deixe nos comentários!

E uma última dica: salve esse artigo nos favoritos do seu navegador, assim você pode acessá-lo novamente sempre que surgir uma dúvida!

Finalmente
chegou a hora de crescer sua advocacia!

Com o Astrea você automatiza sua rotina jurídica e ganha tempo para colocar planos em prática

Comece grátis
Comentar
Recomendar
Vamos continuar a conversa?

  • Maria Eunice disse:

    Bom Dr,eu gostaria de saber,quando um processo judicial,de DNA de paternidade ,no juiz de primeira estância ,foi feito e deu negativo,mais recorreu com recursos e ganhou para fazer o segundo DNA,ainda na primeira estância, a parte contrária recorreu para tribunal de justiça, aí o segundo DNA está suspenso,eles entrarão com Agravo de instrumento, com tutela antecipada, jurisprudência, e Mérito, gostaria de saber sobre esse segundo recurso, e se temos direito de fazer o segundo exame,assim como o juiz de primeira estância decidiu,porque não ficou explicado com clareza o exame de DNA teve muitas dúvidas, a mãe do suposto filho e viva e não participou do exame,o suposto pai e falecido há 13 anos, o laboratório de coleta deixou muitas dúvidas,antes de mandar para o laboratório de análise,por favor Dr e uma mãe que pede que o Senhor vê com carinho o que lhe escrevo,muito obrigado, que Deus o proteja e lhe de muita Luz e sabedoria.

1 comentário
Você está aqui