Design Thinking para advogados

Design Thinking na rotina da advocacia – Especial #Aurumsummit2018

Comentar
Recomendar
Você já ouviu falar em Design Thinking? É uma abordagem que utiliza ferramentas do Design para resolver problemas, desenvolver propostas e pensar projetos de maneira criativa. O processo é focado no ser humano e pode ser utilizado em diversas áreas – inclusive na advocacia!

Durante o Aurum Summit 2018, o assunto foi tema da palestra Design Thinking como ferramenta diária de trabalho, comandada por Felipe Barreiros*. O palestrante é Co-Fundador da Mastertech, uma startup que atua como escola de Habilidades do Século 21 – entre as quais estão o pensamento crítico, a solução de problemas, comunicação, colaboração, criatividade e inovação.

“O que eu quero fazer é ensinar vocês para que depois vocês mesmos consigam instalar isso dentro de casa”, disse Felipe Barreiros ao iniciar sua fala. E foi exatamente o que abordou em seu conteúdo, trazendo dicas práticas de Design Thinking para a rotina de um escritório.

Design Thinking e Design Sprint

Uma das maneiras de colocar em prática o Design Thinking é por meio do Design Sprint. Ambos colocam o ser humano no centro das atenções, mas tem processos diferentes. O Design Thinking é uma abordagem a ser incorporada em um projeto longo e pode ser entendido como um modo de pensar. Já o Design Sprint é uma espécie de “receita de bolo”, que deve ser seguida para atingir o sucesso na resolução de problemas.

Portanto, quando se faz uso das ferramentas do Design Sprint o Design Thinking é colocado em prática. Felipe Barreiros classificou o passo-a-passo do Design Sprint nas seguintes etapas: mapa, desenho, decisão, protótipo e teste. Segundo ele, elas devem ser aplicadas em cinco dias, focando em novas propostas, produtos, projetos ou serviços.

As etapas do Design Sprint

Mapa: é o momento de mapear o problema a ser resolvido, entender os desafios e definir um objetivo. Em um atendimento, é quando se deve conversar com o cliente e entender suas necessidades.

Desenho: fase dedicada a entender o problema e registrar ideias sem se preocupar se serão viáveis ou não. Ao final, são gerados desenhos, esboços, de possíveis soluções e insights.

Decisão: tendo conhecimento das propostas, é hora de definir quais ideias serão desenvolvidas e criar storyboards de como utilizá-las com os envolvidos do processo (você e seu cliente, por exemplo).

Protótipo: a partir do storyboard, é o momento de criar um protótipo realista da ideia selecionada. É necessário garantir que esteja pronto para ser testado.

Teste: nesta última fase do Design Sprint já existe um protótipo sendo testado com usuários finais e pronto para receber feedbacks em tempo real, a fim de receber a validação da ideia e identificação de eventuais refinamentos.

Como aplicar Design Thinking em escritórios de advocacia?

Depois de conhecer um pouco mais sobre o Design Thinking, você deve estar se perguntando como aplicá-lo em seu escritório de advocacia. Algumas situações incluem: melhorar o relacionamento com o cliente, desenvolver ações para o marketing jurídico, criar novas abordagens ou qualquer desafio que necessite gerar ideias.

Essa abordagem também pode auxiliar a inovar em seu escritório. Por isso, destacamos três dicas de inovação que Felipe Barreiros compartilhou com o público do Aurum Summit 2018!

Três dicas de inovação, por Felipe Barreiros

1. Faça imersões com a sua equipe

Para Felipe Barreiros, uma maneira de inovar é por meio de imersoẽs individuais e com a equipe de trabalho. Realizar benchmarking, participar de eventos, atividades e viagens são formas de colocar em prática essa dica.

Também é importante priorizar momentos de conversa entre a equipe. Reservar um tempo e horário fixo durante a semana para troca de ideias e experiências entre o time é uma forma de manter o desenvolvimento constante.

Uma questão que surgiu durante o Aurum Summit é como os advogados autônomos podem aplicar essas sugestões no dia a dia, uma vez que trabalham sozinhos. Para esses casos, a dica de Felipe Barreiros é procurar um mentor e ter nessa pessoa uma referência para conversar periodicamente sobre o mercado.

2. Quebre o padrão mental

Esteja aberto a mudanças e, mais que isso, procure agir de maneira diferente sem medo de errar! Essa dica vai ajudar você a inovar em seu trabalho e melhorar ainda mais a sua rotina.

Procure acabar com as suas crenças limitantes no dia a dia. Reconheça o que lhe impede de agir, ou faz você se sentir mal e impotente em diferentes situações da vida. Depois, procure se desafiar e agir diante disso.

É importante focar em pensamentos positivos, sem dar atenção demais a frases como “não posso” e “não consigo”. Caso apareçam, transforme em ações positivas! Como disse Felipe Barreiros, só existem duas respostas: resultado ou desculpa.

3. Empreenda

Você pode aplicar atitudes empreendedoras em seu escritório de advocacia para gerir os negócios jurídicos! É uma ótima forma de entender melhor o mercado e continuar se destacando no meio.

Para ser um advogado empreendedor, você precisa encarar a profissão como um negócio. Planejamento, metas e controle de gastos e recebíveis serão parte de sua rotina. Isso sem falar da constante busca por soluções inovadoras para seus negócios e clientes.

Com muita dedicação e estudo é possível consolidar sua carreira de advogado e se destacar como empreendedor!

Para motivar você

Ao fim de sua palestra, Felipe Barreiros compartilhou uma mensagem inspiradora para os participantes do Aurum Summit 2018 transformarem seus processos. “Não importa o quanto você lê, o quanto você treina, você vai ter que se jogar, pular sozinho”, disse, depois de exibir o vídeo abaixo:

Se você se interessou pelo tema e quer saber mais sobre design thinking, inovação e criatividade, acompanhe o Felipe Barreiros no LinkedIn! Quem sabe você encontra ainda mais métodos que podem ser aplicados em seu escritório! 🙂

*Felipe Barreiros é Co-Fundador da Mastertech, startup que atua como escola de Habilidades do Século 21 – entre as quais estão o pensamento crítico, a solução de problemas, comunicação, colaboração, criatividade e inovação. É criador da Maratona de Aplicativo e em 2018 foi reconhecido pela Wework como “Community Giver”.

Comentar
Recomendar
Vamos continuar a conversa?

 

    Nenhum comentário
    Você está aqui