Sustentabilidade na advocacia

Sustentabilidade na advocacia

Hoje a sociedade busca desenvolver práticas sustentáveis em todos os setores, e não é diferente com escritórios de advocacia. Para realizar o seu trabalho, o advogado precisa deixar tudo documentado, seja para registrar as horas a serem faturadas, seja pelo fato de que suas atividades estão diretamente relacionadas com órgãos judiciais. Ainda que estejamos na era digital, é comum que o papel seja o principal recurso utilizado por muitos advogados, entretanto, devido à sustentabilidade representar uma questão social bastante discutida nos dias de hoje, a maioria dos escritórios busca se enquadrar neste perfil.

“Ter uma postura sustentável é premissa para ser competitivo frente ao mercado global, em que boas práticas são fundamentais por estarem diretamente relacionadas com ética, transparência e proteção ao meio ambiente.” (Guia da Advocacia Sustentável)

O termo “sustentabilidade” faz menção à ações que visam suprir as necessidades humanas sem comprometer o futuro das próximas gerações. Sendo assim, a sustentabilidade na advocacia deve ser entendida como aquela que, em suas atividades cotidianas, incorpora valores e ações que contribuem com o meio ambiente, mesmo que haja um longo caminho a se percorrer.

“A mentalidade em prol da sustentabilidade pode ser um diferencial hoje em dia na hora de o cliente escolher um escritório de advocacia.” (Guia da Advocacia Sustentável)

A ISO 26000, primeira norma internacional de responsabilidade social empresarial, tem como objetivo traçar diretrizes para ajudar empresas na implantação e desenvolvimento de políticas baseadas na sustentabilidade. Segundo ela, se as empresas incorporarem considerações socioambientais em suas tomadas de decisão e se responsabilizarem pelos seus impactos no meio ambiente, isso implicará em um comportamento ético e transparente, que por sua vez, contribuirá para o desenvolvimento sustentável.

Existem algumas áreas onde os escritórios de advocacia são especialmente beneficiados quando contribuem com a sustentabilidade em suas rotinas de trabalho:

  • Área de prevenção à contaminação do solo, no que diz respeito à análise, entendimento e identificação das complexas regras municipais e estaduais neste sentido;
  • Área de fusões e aquisições, que diz respeito aos possíveis riscos de passivos ambientais e multas aos quais uma empresa está sujeita, ao adquirir outra;

Outro ponto importante é que muitos escritórios sequer sabem quais os verdadeiros impactos que uma postura que vai contra a sustentabilidade pode causar, seja em sua vida pessoal seja para o escritório. Portanto, antes de começar a caminhar nesse sentido, é preciso entender onde estão os problemas. Listamos os principais pontos prejudiciais ao planeta que se originam dentro de um escritório de advocacia:

1. Deslocamentos para reuniões e audiências de forma individual, ou seja, cada advogado em um automóvel – o ideal é otimizar os cronogramas de reuniões e audiências para que os colaboradores possam pegar carona uns com os outros.
2. Consumo alto de energia, devido aos longos horários de funcionamento dos escritórios. Nossa dica é que você substitua as lâmpadas convencionais por lâmpadas florescentes e de LED que reduzem o consumo de energia em até 45%.
3. Computadores ligados sem serem utilizados, principalmente durante a noite. Não deixa de orientar o pessoal sobre a utilização dos computadores, quando não estiver utilizando, desligue-o – engana-se quem pensa que deixar em stand-by ou algo do tipo, faz com que ele pare de consumir energia.
4. Utilização de ar condicionado em todos os cômodos, mesmo quando o dia está ameno – se existe mais de um aparelho no escritório, procure manter a temperatura de todos semelhante para que ela não seja compensada em apenas um deles.
5. Impressão de arquivos e cópias deles – recomendamos utilizar impressões apenas para versões finais dos arquivos, mantendo cópias digitais das versões intermediárias.
6. Manutenção de sites institucionais ou para consultas de processos – para quem não sabe, sites são um dos principais poluidores do mundo, pois ficam armazenados em servidores de data center, que por sua vez, precisam de muita energia para manter os servidores em funcionamento e para isso emitem CO2.
7. Utilização de copos descartáveis de plástico – O ideal é estimular a utilização de garrafas plásticas ou copos de vidro reutilizáveis e para café, xícaras.

Um passo importante na direção da sustentabilidade é o uso de meios digitais, ao invés dos meios físicos que possuem natureza “limitada”, como é o caso do papel. A Aurum é desenvolvedora do Themis, um software jurídico que realiza todo o fluxo processual e realiza a gestão da rotina do escritório de forma sistêmica e digital, ajudando assim os escritórios a reduzirem o consumo de papel e a se tornaram mais sustentáveis.