Dicas para gestão financeira e rentabilidade

Dicas para gestão financeira e rentabilidade

Um escritório de advocacia é como uma empresa, com clientes, funcionários, receitas e despesas, e você, advogado, que abriu seu próprio escritório, sozinho ou com outros sócios, é mais do que um advogado, você é um advogado empreendedor. E como todo bom empreendedor, você corre atrás de aumentar a sua carteira de clientes e o valor de seus contratos, contratar mais advogados para adquirir mais causas, e assim por diante.

É neste momento que, normalmente, o escritório se depara com um cenário que demanda um melhor controle das despesas e receitas para medir sua rentabilidade conforme investe em melhorias. Para ter este controle, o primeiro passo é possuir um profissional especializado, focado na gestão financeira. Sabemos o quão agitada é a vida de um advogado, e dificilmente sobraria tempo entre visitas em clientes, idas ao fórum e vindas do cartório, de fazer a gestão financeira do escritório. Ter uma pessoa focada nisso, não só permite que os advogados foquem em sua rotina jurídica, como também evita problemas com impostos e pagamentos, que, se esquecidos, geram altos juros. Feito isso, você já pode começar a praticar algumas dicas de gestão financeira que nós sugerimos, para aumentar a rentabilidade do seu escritório de advocacia:

Estratégia de precificação de serviços

Pode parecer difícil, mas este é um dos passos mais importantes. Há diversas formas de precificar os serviços: por hora, tarefa entregue, valor por projeto, êxito na causa, entre outros. Para realizar este processo é necessário estimar a quantidade de clientes que o escritório tem capacidade de atender, tendo em vista sua infraestrutura atual, e considerar todos os custos diretos e indiretos do escritório, carga tributária e o retorno desejado. Para simplificar o processo, sugerimos que você olhe para o que seus concorrentes oferecem e quanto eles cobram – isso é possível através de pesquisas de mercado simples – e pense sempre no “pior caso” – é melhor considerar que as despesas serão maiores do que você imagina do que se arrepender depois. Se ainda assim você tiver dúvidas, pergunte o que seus clientes estão achando, nada melhor que coletar feedbacks.

Utilizar assiduamente o timesheet

Apesar de muitos profissionais ainda serem bastante resistentes ao timesheet, é importante saber que sua utilização assídua provê um valor bastante significativo ao negócio. Uma vez que os colaboradores têm a cultura de alocar o tempo gasto em cada atividade trabalhada no seu dia, é possível obter informações diretamente ligadas à precificação dos serviços e faturamento do escritório, como: produtividade do advogado, tempo necessário para execução de determinadas tarefas, valor cobrado x valor homem/hora, entre outras. Com o registro das atividades e quantidade de horas consumidas por cada advogado, é possível otimizar a rotina jurídica, controlando o avanço dos processos, elaborando melhor os cronogramas e visualizando carências existentes nas operações.

Analisar estatísticas de clientes e serviços

Conforme falamos em um de nossos últimos posts sobre “Como criar KPIs e mensurar resultados“, o que não é medido não pode ser gerenciado. Analisar KPIs e extrair dados de clientes e serviços através de relatórios, é muito importante para identificar de onde vem os lucros e onde é mais viável cortar custos. Além de possibilitar a extração de indicadores financeiros e de desempenho muito importantes para o negócio, relatórios e KPIs são ferramentas estratégicas para acompanhar o andamento dos processos, a evolução das receitas, o ROI e, principalmente a rentabilidade do escritório como um todo. Esta análise permite projetar diferentes cenários e prever despesas ou receitas, tornando a tomada de decisão muito mais assertiva, seja a curto ou longo prazo.

Automatizar os processos administrativos e manuais

A gestão financeira de um escritório de advocacia, assim como a de qualquer negócio, lida com muitos processos repetitivos que podem ocupar os colaboradores à toa e até torná-los improdutivos. Rotinas como cadastro de clientes, anexo de documentos, controle de bens e garantias, controle de honorários, acompanhamento dos andamentos processuais etc., não devem ser controladas através de planilhas em papel ou mesmo Excel, pois conforme as informações aumentam a organização e integração dos dados se torna inviável. Automatizar os processos, torna as rotinas mais eficientes e permite que os colaboradores mantenham-se focados no business do negócio que é o exercício jurídico. Então neste caso, nossa dica é: automatize tudo o que puder ser automatizado no seu escritório.

Utilizar um software jurídico focado em escritórios de advocacia é premissa básica para fazer a gestão financeira e atender a demanda dos itens acima. Nós da Aurum, somos desenvolvedores do Themis, um dos principais softwares jurídicos do Brasil e estamos capacitados a te orientar sobre tudo o que ele pode fazer pela sua empresa. Se você gostou do nosso artigo e deseja saber como pode adequar seu escritório às dicas que demos, entre em contato e converse com um de nossos consultores.