A utilização de métricas para fortalecer as relações dos advogados

Marketing Jurídico

Os avanços na tecnologia ocorridos nas últimas décadas têm proporcionado aos gestores dos escritórios de advocacia e departamentos jurídicos, um grande volume de ferramentas que os auxiliem nas tomadas de decisões. No entanto, existem algumas técnicas tradicionais que não precisam de muito para serem executadas e que, independentemente do avanço das tecnologias, são insubstituíveis. É o caso dos famosos KPIs, cujos quais já falamos anteriormente em nosso blog.

KPIs podem sim ser feitos manualmente, mas é inquestionável que a utilização de tecnologias como um software jurídico facilitam o processo, tanto no preparo dos dados como armazenamento, centralização, estruturação e integração, quanto a análise das informações em si, tornando as decisões muito mais assertivas.

Curiosidades importantes sobre os KPIs

Extraímos duas informações importantes sobre indicadores de desempenho na matéria “Jurídico adota indicador de desempenho”, são elas:

  • Os indicadores de desempenho deveriam ser uma prática não só nos departamentos jurídicos, mas também nos escritórios de advocacia;
  • A adoção de indicadores é fundamental para calcular o custo-benefício do investimento da organização em seu setor jurídico;

Para auxiliá-los em uma boa utilização das métricas de desempenho para fins jurídicos, destacamos 4 pilares importantes a serem explorados no sentido de otimizar a rotina do advogado e do negócio:

1. Mensuração de resultados

Enquanto vemos um aumento contínuo na prestação de contas, existe um crescente número de oportunidades de demonstração de valor aos clientes e, consequentemente, fortalecimento do relacionamento. Conforme já falamos anteriormente, o que não é medido não pode ser gerenciado e, cada vez mais, a tecnologia jurídica está provendo novos meios de mensurar, gerenciar e colaborar, tantos os processos internos quanto o relacionamento com clientes.

2. Análises de faturamento em tempo real

Muitos profissionais da área jurídica operam a partir de faturas mensais e entregues muito tempo após o trabalho ser realizado. A automação dos processos possibilita que as discussões e análises de faturamento aconteçam “no presente”, ao invés de tentar lembrar e reconstruir eventos de meses anteriores.

3. Análises de forma agregada

Pouquíssimos advogados olham para seus gastos de forma agregada. Olhar para as questões como um todo ou em forma de categorias, muitas vezes nos leva à revelações em uma perspectiva de nível superior, isto é, uma coisa ou outra pode estar “divergente”, mas uma visão macro torna essas divergências tão pequenas a ponto de não impactarem no resultado final, e aí obtém-se uma tomada de decisão mais ágil e assertiva.

4. Tomada de decisão com base em métricas

Métricas de produtividade, desempenho e afins, devem servir como uma base transparente para a avaliação dos colaboradores, processos e metodologias do escritório. Quando se trabalha com fatores tangíveis, elimina-se a tendência natural de as pessoas “darem preferência” àqueles com quem são mais familiarizados, seja em um momento de contratação, seja para uma bonificação.

Contingências trabalhistas, cíveis e tributárias podem ser mapeadas e prevenidas com bons indicadores, por isso decidimos falar ainda mais sobre esse assunto nos próximos artigos. Assine nossa RSS e não perca!